Tamanho do texto

Órgão antitruste avaliou até o trânsito de cidades para saber se o cliente estava disposto a pesquisar preço em outra loja

Hipermercados, mais de 5 mil metros, com 5 mil itens à venda
AE
Hipermercados, mais de 5 mil metros, com 5 mil itens à venda
As decisões recentes do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) para aprovar uma operação de fusão no ramo de supermercados – nos moldes como a apresentada nesta terça-feira pelo Pão de Açúcar e Carrefour – levam em consideração não só a concentração de lojas em uma região específica, indicando a sobreposição de estabelecimentos, mas também a situação hipotética de trânsito em determinadas regiões metropolitanas.

Os técnicos dos órgãos ligados ao Cade avaliam a disposição do cliente de se deslocar de uma loja para a outra, a fim de encontrar preços mais em conta, caso um determinado supermercado esteja elevando os preços de seus produtos de forma não-temporária.

Ao julgar a compra da rede de supermercados Gimenes, adquirida pelo Carrefour em 2009, os órgãos antitrustes fizeram uma avaliação da área e da população de determinados municípios onde as duas redes possuíam lojas para indicar o impacto da operação. Foi o caso de Matão, Ribeirão Preto, São Carlos e Monte Alto, dos municípios do interior de São Paulo.

“Pressupõe-se que nas cidades de grande porte, com problemas graves de trânsito, por exemplo, o consumidor típico não esteja disposto a percorrer toda a extensão da cidade, para efetuar suas compras de supermercados, o que implica a divisão desse tipo de cidade em áreas mais restritas (alguns bairros ou mesmo quadras),” diz o trecho de um parecer da Secretaria Especial de Acompanhamento Econômico (Seae) Ministério da Fazenda levado em consideração nos julgamentos envolvendo supermercados e hipermercados.

No parecer, a secretaria não viu impactos relevantes, sugerindo a aprovação da compra da rede Gimenes.

Além disso, o Cade também costuma analisar a possibilidade de exercício de poder de mercado no segmento de supermercados e hipermercados. Nos julgamentos anteriores, os técnicos do órgão antitruste consideram a possibilidade de prática de conduta anticompetitiva caso a fusão resultante gere uma concentração igual ou superior a 75%.

Em outra avaliação, o Cade utiliza uma fórmula usada nos EUA, que avalia se há ou não impacto anticompetitivo, além de avaliar a entrada ou construção de novos estabelecimento comerciais de varejo

Veja o conceito de loja para o Cade

Supermercados
Número de itens: 1.500 a 5.000
Seções de vendas: mercearia, bazar e produtos perecíveis
Número de caixas: 3 a 40 check-outs
Área: 300 metros quadrados

Hipermercados
Número de itens: mais de 5.000
Seções de vendas: mercearia, bazar, produtos perecíveis, têxteis e eletrodomésticos
Número de caixas: mais de 40 check-outs
Área: mais de 5 mil metros quadrados

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.