Tamanho do texto

Instituição recebeu denúncias relacionadas a falhas de entrega no varejo online; Americanas.com foi proibida de vender no Estado

O descontentamento dos clientes com o serviço de entrega do varejo online foi parar na Justiça. O Ministério Público do Rio de Janeiro investiga falhas nas operações das redes Compra Fácil e Ricardo Eletro. A instituição já conseguiu decisões que obrigam o Ponto Frio e a Americanas a regularizar as entregas dos produtos vendidos pela internet.

O Compra Fácil foi alvo da primeira ação movida no MP-RJ por irregularidades nas entregas no e-commerce. O processo é de outubro do ano passado, mas ainda não foi julgado pela Justiça.

“Percebemos um aumento nas reclamações de clientes e entramos com a ação civil pública para tentar impedir problemas no Natal. Infelizmente não conseguimos”, diz o promotor Pedro Rubim, que está à frente do processo.

Todos os dias, a ouvidoria do Ministério Público recebe em média três reclamações contra o Compra Fácil, de acordo com Rubim. Ao todo, há cerca de 400 queixas contra a empresa no MP e outras 18.900 no site Reclame Aqui.

“Trazer questões sobre vendas online para a Justiça é uma vitória para o consumidor. Agora, as empresas terão que investir para prestar um melhor atendimento”, afirma Felipe Dellacqua, diretor da consultoria e-Tática, especializada em e-commerce

Americanas.com foi proibida de vender no Rio

As ações contra o e-commerce da Americanas e do Ponto Frio já foram julgadas. A Justiça proibiu nesta semana que a Americanas venda qualquer produto no Estado do Rio enquanto não regularizar seu sistema de entrega. A decisão entrará em vigor assim que a empresa for notificada.

Em dezembro do ano passado, a Justiça determinou que o Ponto Frio resolvesse questões relacionadas a atrasos no frete e de produtos enviados com defeitos ou trocados em um prazo de 30 dias. A multa por descumprimento seria de R$ 50 mil por dia.

As queixas contra a rede Ricardo Eletro, que se uniou com a Insinuante e formou o grupo Máquina de Vendas , ainda estão em fase de investigação no Ministério Público. “Essa ação pode resultar em decisões semelhantes à do processo da Americanas se for constatado o dano ao consumidor”, afirma o promotor Julio Machado, responsável por investigar as denúncias contra o e-commerce da Americanas e da Ricardo Eletro.

Os processos contra as varejistas online são consequencia dos problemas logísticos decorrentes do aumento da venda no Natal, afirma Dellacqua, da consultoria e-Tática. “Eles se prepararam para uma expansão de 25% nas vendas, mas elas cresceram 40% no fim de ano”, diz.

Segundo ele, as falhas se devem a filas para despachar encomendas nos centros de distribuição das varejistas e a um excesso de demanda nas transportadoras. Para as empresas, investimento em centros de distribuição inteligentes, com mais estoque de produtos mais vendidos por região, pode agilizar o processo.

“Assim, se a empresa identificar, por exemplo, que em São Paulo a venda de TV está acima da média, ela pode aumentar o estoque do produto neste centro de distribuição”, diz.

Procuradas pelo iG , as varejistas Americanas e Máquina de Vendas não quiseram se manifestar.

O Compra Fácil enviou ao iG o seguinte comunicado, na manhã desta sexta-feira: "O Comprafacil.com informa que recebeu a notificação do Ministério Público do Rio de Janeiro sobre questões relacionadas à entrega de produtos aos consumidores e está no prazo de recurso para resposta e defesa junto ao órgão, apresentando o que tem sido realizado para cumprir as determinações e reforçar o seu compromisso com o consumidor." O varejista online informa ainda que, entre as medidas adotadas para a redução dos problemas, estão o aumento em 47% o número de transportadoras; a ampliação em 40%, nos últimos quatro meses, do quadro de funcionários na operação e atendimento e a antecipação da construção e início de operação de seu novo centro de distribuição com investimentos de R$ 160 milhões. A empresa também afirma que aumentou os prazos de entrega e que tem todas as mercadorias à venda em estoque.

Leia mais sobre varejo:

Grupo Silvio Santos pretende vender lojas do Baú em até 90 dias

Era Abilio Diniz no Pão de Açúcar pode terminar em 2012

Magnatas se desentendem na gestão do Carrefour

Magazine Luiza planeja estreia em grande estilo no Rio de Janeiro

Máquina de Vendas lança marca própria de motos