Tamanho do texto

Novo padrão de interiores da Boeing tem mais espaço para bagagens e deve facilitar os desembarques; companhia tem cem encomendas

A Gol pretende remodelar o interior de toda a sua frota para ganhar eficiência. A primeira aeronave com a tecnologia Sky Interior, desenvolvida pela Boeing, começou a voar nesta semana. A empresa encomendou cem aeronaves do modelo Boeing 737-800 Next Generation com a nova configuração interna. Até o fim do ano, a Gol receberá mais cinco aeronaves.

O novo avião é do mesmo modelo dos outros da companhia, mas com uma configuração interna mais avançada. O sistema de iluminação traz seis tonalidades entre o azul e o laranja, que simulam as cores do céu. Há também tomadas em todas as fileiras dos assentos e mais espaço nos bagageiros.

Comissária apresenta nova configuração interna da aeronave da Gol; modelo tem mais espaço para bagagens
Divulgação
Comissária apresenta nova configuração interna da aeronave da Gol; modelo tem mais espaço para bagagens
Com o novo interior, cada aeronave poderá transportar mais quatro bagagens de 7 kg. O espaço maior visa aumentar a eficiência do desembarque. “Hoje, há uma competição por espaço entre os passageiros e muitos não conseguem deixar a mala perto do seu assento”, diz a vice-presidente de mercados e novos negócios da Gol, Claudia Pagnano.

A situação gera um desconforto no momento do desembarque, com um trânsito para pegar a bagagem dentro do avião. Com a mala mais próxima, os passageiros vão sair do avião mais rápido. Hoje, o tempo médio de solo da Gol é de 22 minutos, considerado um dos mais eficientes do mundo.

A Gol é a sétima companhia do mundo a receber aeronaves com o sistema Sky Interior, de acordo com José Sicilia, diretor de vendas da Boeing para a América Latina e Caribe. Hoje, cerca de dois terços das encomendas à fabricante são de aeronaves com a configuração.

Obsessão por redução de custos

Para as companhias aéreas, avião parado é prejuízo. O grande desafio delas é elevar o índice de utilização das aeronaves. No caso da Gol, cada uma de suas 115 aeronaves voa, em média, 13,3 horas por dia. “Quanto o menor nosso tempo em solo, maior o aproveitamento das aeronaves. E não existe cliente satisfeito sem regularidade e pontualidade”, diz Pagnano.

Segundo a vice-presidente da companhia, a Gol colocará os novos aviões na ponte aérea Rio-São Paulo, seu trecho com maior volume de passageiros. E, em dois meses, vai mensurar os ganhos de eficiência da nova configuração.

Deste que entrou no mercado, a Gol tenta desenvolver iniciativas para reduzir custos. Enquanto as concorrentes serviam refeições quentes, ela passou a oferecer aos passageiros lanches rápidos, como barras de cereal. Além de custar menos, a escolha também agilizou o serviço de limpeza das aeronaves e eliminou a necessidade de cozinhas dentro dos aviões.

A empresa anunciou em maio a contratação da consultoria GE Aviation para procurar alternativas para redução das despesas com combustível. No final do ano passado, a Gol contratou a consultoria Gradus para revisar seu orçamento e identificar pontos com possíveis cortes.

O resultado foi a eliminação de 1.100 empregos , que trará uma economia de R$ 45 milhões à companhia por ano. A empresa também antecipou a devolução de aeronaves – e poupou R$ 20 milhões no ano.

Leia mais sobre aviação:

Tráfego aéreo cresce 31% em abril e TAM reforça liderança

Mesmo com crescimento recorde, companhias aéreas demitem

TAM admite atraso na fusão com a LAN por entraves no Chile

Dono da Webjet admite que pode aceitar boas propostas pela empresa

À venda, TAP é estrangeira que voa para mais cidades brasileiras

União da Avianca Brasil com a colombiana é questão de tempo

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.