Tamanho do texto

Crescimento nas vendas deflacionadas foi de 1,63% na comparação anual

Reuters

Crescimento nas vendas deflacionadas foi de 1,63% na comparação anual
Marcelo Camargo/ABr
Crescimento nas vendas deflacionadas foi de 1,63% na comparação anual

As vendas reais dos supermercados no Brasil subiram 2,63% em agosto ante igual mês do ano passado, confirmando expectativas de um desempenho melhor na segunda metade do ano após um fraco primeiro semestre, divulgou a associação do setor, Abras, nesta terça-feira (30).

LEIA MAIS: 10 mandamentos para gastar menos no supermercado

Na comparação com julho, o crescimento das vendas deflacionadas em agosto foi de 2,53%, em resultado impactado pela ocorrência de cinco finais de semana no mês, período que tradicionalmente registra vendas mais altas, disse a Abras.

No acumulado dos oito primeiros meses de 2014, as vendas dos supermercados no Brasil subiram 1,63% - bem abaixo do avanço de 4,95% registrado em igual etapa de 2013.

A Abras já havia reduzido em agosto sua projeção de aumento das vendas no ano para 1,9% ante estimativa anterior de 3%, citando a diminuição do crescimento da renda da população e a inflação elevada como fatores que contribuíram para o consumidor ir menos aos pontos de venda neste ano.

Em comunicado, o presidente do Conselho Consultivo da Abras, Sussumu Honda, afirmou que o desempenho de agosto vai ao encontro das previsões da entidade divulgadas anteriormente, de vendas melhores no segundo semestre.

Ele completou que o consumidor deve ficar mais estimulado a comprar com a proximidade das festas de fim de ano, principalmente depois de outubro.

Cesta caiu 1%

Em agosto, o preço da cesta AbrasMercado, que conta com 35 produtos de amplo consumo pesquisados pela GfK, caiu 1% sobre o mês anterior, a R$ 367,88. Na comparação com o mesmo mês do ano passado, o crescimento foi de 4,43%.

As maiores baixas ante julho foram da batata (-21,88%), feijão (-8,59%) e tomate (-8,47%). Na outra ponta, as maiores altas foram da carne traseiro (+2,63%), leite longa vida (+2,50 %) e extrato de tomate (+2,37%).

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.