Tamanho do texto

No primeiro semestre, a categoria de moda e acessórios manteve a liderança conquistada há um ano nas vendas online no país, com participação de 18% no volume total de pedidos

Reuters

Comércio de moda online cresce no Brasil
Thinkstock Photos
Comércio de moda online cresce no Brasil

O faturamento nominal do comércio eletrônico brasileiro subiu 26% no primeiro semestre sobre igual etapa do ano passado, a R$ 16 bilhões, divulgou nesta quarta-feira (30) a empresa de pesquisas E-bit, especializada em informações sobre o setor.

LEIA MAIS: Comércio eletrônico cresce a passos largos

O avanço de dois dígitos contrasta com o desempenho do varejo como um todo, que, diante de um cenário de inflação e juros altos, vem perdendo o vigor mostrado nos últimos anos.

Segundo os últimos dados do setor divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), as vendas do varejo tiveram alta de 5% no acumulado do ano até maio.

Na visão do diretor executivo da E-bit, Pedro Guasti, fatores como promoções, entrega em casa com frete grátis e possibilidade de pesquisa virtual de preços vêm contribuindo para que o consumidor feche a compra pela Internet.

De janeiro a junho, o número de pedidos pelo canal cresceu 35,5%, a 48,17 milhões, com tíquete médio de R$ 333,40.

Em comunicado, a E-Bit estimou alta de 21% no faturamento do comércio eletrônico em 2014, com registro de 104 milhões de pedidos no ano.

No primeiro semestre, somente, a categoria de moda e acessórios manteve a liderança conquistada há um ano nas vendas online no país, com participação de 18% no volume total de pedidos.

A categoria de cosméticos e perfumaria/saúde apareceu em segundo (16%), sendo seguida por eletrodomésticos (11%) e livros/assinaturas e revistas (8%.

As vendas fechadas por dispositivos móveis, por sua vez, passaram a responder por 7% do total em junho, ante 3,8¨% no mesmo mês de 2013. O crescimento de 84% reflete uma tendência no setor, diante do uso crescente de smartphones pelos brasileiros.

"A mobilidade vem ganhando atenção por parte das empresas, que percebem esta mudança no comportamento dos consumidores. Por conta disso, elas começam a desenvolver seus sites e aplicativos para atender a este canal", disse Guasti.

De acordo com a consultoria IDC, o número de smartphones vendidos no País ultrapassou a comercialização de aparelhos tradicionais pela primeira vez em 2013, alcançando 35,6 milhões de unidades.

Em 2015, o IDC estima que mais de 100 smartphones serão vendidos por minuto no Brasil, contra uma média de 68 aparelhos no ano passado.