Tamanho do texto

Segmento cresceu 0,5% de março a abril, inviabilizando projeção de expansão de 5% no ano

Agência Estado

Para os próximos meses,  a expectativa é de reação, com a desaceleração da alta de preços
AE
Para os próximos meses, a expectativa é de reação, com a desaceleração da alta de preços

As vendas do varejo foram "fracas" em abril, afirmou o economista da Confederação Nacional do Comércio (CNC) Fábio Bentes.

O setor cresceu 0,5% na passagem de março para abril, de acordo com a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), divulgada nesta quinta-feira (13) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Com isso, a CNC reviu a previsão de crescimento do setor em 2013, de 5% para 4,3%.

-Veja também: descompasso entre comércio e indústria será menor, segundo FGV

Bentes atribui à inflação o desempenho decepcionante do varejo, principalmente no segmento de hiper e supermercados.

Para os próximos meses, no entanto, a expectativa é de reação, com a desaceleração do processo de alta de preços de alimentos e bebidas, de abril para maio (de 0,97% para 0,31%), como demonstrou o indicador oficial de inflação, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

Ele ressaltou que, embora os preços de alguns produtos agrícolas, como a soja e o arroz, tenham reiniciado a trajetória de alta no atacado, o esperado é que a retomada da inflação para esses produtos demore a alcançar o varejo.

"Da mesma forma que os preços demoraram a cair, irão demorar a subir também. Irá levar de três a cinco meses para o movimento ser repassado ao consumidor final."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.