Tamanho do texto

Levantamento realizado pela agência mostra que de 1.239 empresas, 735 foram bem avaliadas em 2011

Estudo realizado pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) aponta melhora no desempenho de empresas operadoras de saúde nas áreas médica e odontológica em 2011. Pelo levantamento, realizado com 1.239 delas, 735 foram avaliadas como muito boas ou boas. No ano anterior, 485 empresas foram classificadas neste mesmo patamar. Já o número de operadoras que foram classificadas como ruins ou péssimas diminuiu no período, de 383 para 54

As 735 operadoras que ficaram com as melhores notas dentro da pesquisa respondem por cerca de 46 milhões de beneficiários. O número de operadoras que ficaram na faixa de ruins ou péssimas pela pesquisa caiu em relação a 2010. No ano de 2011, eram 54, contra 383 de 2010. As 54 operadores de saúde com piores desempenhos correspondem a uma faixa de 474 mil beneficiários em todo o país. A metodologia da pesquisa leva em conta pesos diferentes para cada área dentro da atuação das operadoras.

MaisANS busca opinião de usuários sobre planos de saúde

O Índice de Desenvolvimento da Saúde Suplementar (IDSS), componente do Programa de Qualificação da Saúde Suplementar, avalia as operadoras em quatro dimensões: assistencial, econômico-financeira, estrutura e operação e satisfação do beneficiário tomando como base o cumprimento às normas estabelecidas pela ANS.

No item assistencial, dentro da pesquisa, o peso é de 40% enquanto na área econômico-financeira, o peso fica em 20% para formação do IDDS. O mesmo percentual é aplicado para as áreas de satisfação dos beneficiários e estrutura e operação. Segundo Andrea Carlesso Lozer, coordenadora de Qualidade e Conhecimento da ANS, a base do resultado da pesquisa tem como origem as reclamações que chegam à ANS

André Longo, diretor da ANS, afirma que o consumidor está cada vez mais consciente e faz valer a sua busca por qualidade no atendimento em saúde. Ele comentou ainda o resultado da pesquisa que mostra que o número de operadoras em 2011 caiu para 1.239 em 2011, contra 1.517 no ano anterior. Longo explicou que, além da onda de fusões e aquisições neste mercado, também foram registrados cancelamentos de empresas que não cumpriram de forma correta as normas da ANS para funcionamento.

Também“Das 1,3 mil operadoras de saúde no Brasil, menos de 100 continuarão a existir”

“A queda no número de operadoras é resultado de uma atuação mais rígida de fiscalização por parte da agência”, disse Longo.

Ele também anunciou a criação do Espaço da Qualidade, que será destinado aos usuários de planos de saúde. Lá, eles poderão fazer consultas sobre o desempenho das empresas. Os usuários poderão saber quais são as empresas que tiveram seus planos de saúde suspensos e também a posição das operadoras nos índices de reclamações recebidas pela ANS

“Queremos dar ao cidadão uma ferramenta que facilite o acesso à informação para a mudança ou escolha de um plano de saúde”, completou Longo.

A partir de 2013, a ANS vai passar a fazer pesquisas diretamente com os usuários dos planos de saúde e odontológicos. Hoje, a percepção do que pensa o usuário é feito a partir das reclamações recebidas pelo órgão, apresentadas pelas operadoras. Longo informou que o usuário não terá obrigatoriedade em responder a pesquisa e acrescentou que o objetivo da ANS é, com esta nova forma de avaliação, saber mais a fundo a impressão do consumidor sobre os planos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.