Tamanho do texto

A projeção do Instituto Brasileiro de Executivos de Varejo leva em conta a expansão de no máximo 1,3% do Produto Interno Bruto (PIB) este ano

Agência Estado

O varejo brasileiro - incluindo venda de automóveis e combustíveis - deve ter um crescimento real de 7,5% este ano ante 2011, prevê o presidente do Instituto Brasileiro de Executivos de Varejo (Ibevar) e presidente do conselho do Programa de Administração do Varejo (Provar), da Fundação Instituto de Administração (FIA), Claudio Felisoni. A projeção leva em conta uma expansão "pífia", nas suas palavras, do Produto Interno Bruto (PIB) no ano de, no máximo, 1,3%.

Veja também:  Economia cresce menos que o esperado e PIB fica em 0,6% no terceiro trimestre

Segundo o especialista, o bom desempenho do varejo neste ano ocorrerá pela performance das vendas até o terceiro trimestre, já que o Natal deverá ser mais fraco do que o de anos anteriores. "No ano, até o terceiro trimestre, as vendas foram boas porque houve desoneração da folha de pagamento para alguns segmentos; redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para eletrodomésticos e carros; e queda na taxa básica de juros", explicou.

Veja também:  Após PIB fraco, varejo já espera um Natal morno

"Mas o que estamos vendo agora é uma desaceleração das motivações de compra. O comprometimento da renda ainda mantém-se elevado e não há um movimento da redução na taxa de inadimplência", completou Felisoni.

Para 2013, a expectativa do presidente do Ibevar é mais pessimista. Ele acredita que não haverá condições políticas para manter as medidas de estímulo ao consumo, como a redução do IPI, e a taxa de juros irá subir novamente. "O governo também tem demonstrado preocupação em investir mais para estimular os investimentos privados", declarou. "O desempenho geral do varejo vai depender muito das vendas dos supermercadistas, dos alimentos, que representam 50% do varejo total. Sem as medidas de estímulo ao consumo, a performance do varejo sofrerá um 'baque' e o crescimento desacelerará para entre 3% e 5%", estimou.

Veja também:  Varejo avança no terceiro trimestre e fecha ano em alta

O especialista ainda comentou que as ações do governo, em geral, são pontuais. "O Brasil precisa melhorar seus investimentos, infraestrutura. O Brasil é uma oportunidade, mas é necessário criar as condições favoráveis."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.