Tamanho do texto

Atendimentos pessoais ou para automóveis evitam deslocamentos do local de trabalho e perda de tempo

A vida nas grandes capitais é cada vez mais dificultada pela falta de tempo, diante de uma jornada de trabalho cada vez mais comprida, ou pela dificuldade de deslocamento, com o trânsito batendo recordes a cada dia. De olho nisso, prestadores de serviços buscam cada vez mais oferecer serviços rápidos ou que vão até o local de trabalho do cliente.

São serviços encontrados em salões de beleza, como manicure e pedicure, maquiagem e massagens; e que envolvem reparos e limpeza de carros.

O Auto Spa Delivery já tem 40 franquias no país e realiza lavagem e limpeza do carro no local que o cliente desejar, pelo preço único de R$ 25. Basta agendar um horário por telefone. A ideia é reduzir ao máximo custo fixo para os franqueados, geralmente microempreendedores individuais. Mas o objetivo acabou ganhando como diferencial a comodidade oferecida.

“Temos pontos fixos e móveis. Como a lavagem é ecológica e utiliza apenas 300 ml de água, pode ser realizada em qualquer lugar, até na garagem de edifícios comerciais. Dessa forma, o cliente economiza uma hora de espera no lava rápido”, diz Edson Ramuth, franqueador da Multifranquias, que oferece o Auto Spa. A lavagem dura 30 minutos, em média.

Quem também está sem tempo para se deslocar até o salão de beleza pode chamar uma das credenciadas do Manicure Delivery, que oferece os serviços em casa ou na empresa de clientes em São Paulo, Rio de Janeiro, Goiânia e Salvador.

Marco Antonio Santos, responsável pela expansão e franquias do serviço, aponta que a demanda aumentou nos últimos cinco anos, mas nos últimos dois anos os números foram ‘surpreendentes’, e o crescimento superou 300%. “Na cidade de São Paulo, em bairros como Vila Leopoldina, Morumbi e Alphaville, o número de franqueadas está aquém do número ideal para atender essa demanda”, conta.

Os serviços de manicure e pedicure custam partir de R$ 49, mas pode ser menos, dependendo do grupo atendido. O máximo gira em torno de R$ 60, caso para regiões de difícil acesso. “Levamos em consideração trânsito e meios de transporte, já que nem todos os profissionais franqueados, possuem veículo próprio”, diz Santos.

A franquia também é procurada por empresas, que querem oferecer um espaço para que seus colaboradores recebam o serviço ou pagam por ele e descontam na folha de pagamento dos funcionários, depende do acordo feito entre as empresas e seus colaboradores.

O esmalte mais usado, conta Santos, é o de secagem em 60 segundos. “É importante não fazer nossa cliente esperar muito pela secagem das unhas, já que muitas são atendidas na própria mesa de trabalho”, conta.

A comodidade de ter um serviço rápido não se reduz ao atendimento em casa ou na empresa, mas em pontos fixos.

Cabeleireiro de celebridades e autoridades, como a presidenta Dilma Roussef, Celso Kamura irá inaugurar no final de novembro seu primeiro salão no modelo expresso, que irá dispensar agendamento prévio e realizar tratamentos respeitando a disponibilidade do cliente.

Concessionárias também já verificam a necessidade de realizar reparos simples e revisões de forma mais eficiente, em até uma hora.

É o caso da Renault, que criou o formato Minuto em Campinas, interior de São Paulo, e Curitiba, no Paraná, para onde são direcionados reparos mais simples, como troca de discos e pastilhas de freio, que podem ser realizados no mesmo dia ou em até uma hora, praticamente metade do tempo de uma oficina tradicional.

Além de oferecerem horário de atendimento diferenciado, das 7h30 |às 19h30, caso da unidade de Curitiba, não demandam agendamento prévio. O orçamento é gratuito e o contato e acompanhamento do reparo são realizados diretamente com o mecânico responsável. A meta é, até 2016, oferecer 70 unidades no formato.

A Toyota já incorporou em 60% de suas concessionárias uma revisão regular mais eficiente, realizada por dois funcionários de maneira sincronizada, que pode ser realizada em uma hora, em alguns casos. O serviço atende à demanda de clientes que utilizam o carro como ferramenta de trabalho.

Leia mais notícias de economia, política e negócios no jornal Brasil Econômico

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.