Tamanho do texto

Vendas totais do grupo francês sobem 35,2% e alcançam R$ 30,98 bilhões na comparação anual, graças à consolidação de 100% das vendas do Pão de Açúcar no Brasil

Reuters

As vendas do varejista francês Casino, acionista controlador do Pão de Açúcar, cresceram 4,2% no terceiro trimestre nas lojas abertas há pelo menos um ano, com o forte desempenho em mercados emergentes compensando a fraqueza no mercado doméstico da companhia.

O Casino informou esperar que 2013 seja um ano de forte crescimento da lucratividade em seus mercados internacionais, que agora respondem por mais de 60% das vendas do grupo.

O vice-presidente financeiro da empresa, Antoine Giscard d'Estaing, disse a analistas que a estimativa de consenso do mercado para o lucro operacional é de cerca de 1,95 bilhão de euros (R$ 5,14 bilhões). Isso provavelmente será reduzido em 50 milhões pela variação cambial do real para o euro na segunda metade deste ano.

O Casino disse que as vendas em seu mercado doméstico permaneceram fracas, com consumidores reduzindo as compras em seus hipermercados.

Mas seu site C-Dicount teve forte performance, bem como as lojas de conveniência mostraram resiliência, segundo a empresa.

As vendas totais no terceiro trimestre totalizaram 11,767 bilhões de euros (R$ 30,98 bilhões), aumento de 35,2% na comparação anual, graças à consolidação de 100% das vendas do Pão de Açúcar no Brasil. Um ano atrás, o Casino contabilizava apenas 40% das vendas do Pão de Açúcar em seu balanço, por não ser ainda controlador da empresa brasileira.

Nove analistas consultados pela Reuters previam, em média, vendas no trimestre de 11,643 bilhões de euros (R$ 30,67 bilhões).

As vendas com base nas mesmas lojas nos hipermercados do Casino excluindo combustível caíram 5,4% no terceiro trimestre, depois de terem recuado 4% no segundo.

Isso foi resultado principalmente numa queda forte na venda de não-alimentos e de uma redução do espaço de vendas de itens não alimentares.

Na América Latina, o crescimento orgânico das vendas no conceito mesmas lojas foi de 9,6%, puxado pelo Brasil, com avanço de 6,8%, onde está agora o segundo maior mercado para o Casino depois da França.

Por Dominique Vidalon