Tamanho do texto

Acordo com a companhia canadense é o primeiro passo da IMX Arts e próximo espetáculo no País deve acontecer no ano que vem

EFE

Integrantes do Cirque du Soleil ensaiam para o espetáculo
Getty Images
Integrantes do Cirque du Soleil ensaiam para o espetáculo "Ovo" em Sydney, na Austrália

O empresário Eike Batista, através da empresa IMX, anunciou nesta terça-feira um acordo com o Cirque du Soleil, para promover o espetáculo da companhia canadense na América do Sul. O acordo contempla a criação de uma nova empresa, a IMX Arts, com sede no Rio de Janeiro, criada para ampliar o número de espetáculos e divulgar iniciativas de caráter social no continente. O primeiro espetáculo conjunto acontecerá no ano que vem, no Brasil.

Além disso, está em estudo o modo no qual vai se estender o acordo com os demais países da América do Sul, apontaram representantes das empresas. Em entrevista coletiva, Eike Batista, afirmou que a associação tem como objetivo trazer "eventos únicos ao país".

"Estamos aqui para construir uma companhia brasileira muito forte", afirmou Daniel Lamarre, presidente do Cirque du Soleil. O responsável pela companhia circense explicou que neste ano seguirá realizando espetáculos com o promotor de eventos com quem trabalhou no Brasil até agora. Além disso, Lamarre afirmou que nos próximos meses deve apresentar o primeiro projeto social da companhia no Brasil, denominado "Circos no Mundo", que estará destinado a jovens carentes, assim como acontece no Chile, Equador, Honduras, México e Haiti.

A IMX é a empresa de entretenimento do conglomerado EBX, que inclui a companhia petrolífera OGX, a de mineração MMX, a de logística LLX, o estaleiro OSX, entre outras. Através da IMX, Eike possui a metade da empresa que administra o Rock in Rio, além de eventos esportivos. O empresário foi apontado pela revista americana "Forbes", como oitavo homem mais rico do mundo, com fortuna avaliada em US$ 31 milhões.