Tamanho do texto

Companhia aérea aceitou conceder contratos permanentes a alguns funcionários temporários; sindicato afirmou que, a partir de sábado, não haverá mais greve

Reuters

A Lufthansa cedeu à principal exigência dos funcionários em greve --oferecer contratos permanentes aos empregados temporários-- e conseguiu encerrar a greve que a fez cancelar mais de mil voos. Em decorrência do acordo, na próxima semana as partes vão recorrer à arbitragem.

"Esperamos que este passo ajude o (sindicato) UFO a se juntar a nós em conversas construtivas para chegar a uma estrutura de pagamento para a tripulação de cabine", afirmou o presidente-executivo da Lufthansa, Christoph Franz, em nota.

A concessão de contratos permanentes a alguns funcionários temporários ocorreu após as partes aceitarem se reunir para negociações.

MaisLufthansa faz concessões para tentar colocar fim à greve

O UFO, sindicato que representa a tripulação de cabine, informou mais cedo que retomaria as negociações com a empresa nesta sexta-feira e garantiu não haver mais transtornos aos passageiros, em meio à disputa sobre salários e condições de trabalho.

"A partir de amanhã, não haverá mais nenhuma greve até que se aceite ou rejeite a decisão da arbitragem", disse o líder do UFO, Nicoley Baublies, a jornalistas em Frankfurt.

A paralisação desta sexta-feira, a terceira e maior delas em oito dias, causou novas complicações na Alemanha, resultando em milhares de voos cancelados e um custo de 10 milhões de euros (US$ 12,6 milhões) para a Lufthansa.

TambémFuncionários da Lufthansa vão retomar as negociações

A companhia aérea alemã vem resistindo às exigências do sindicato de aumento salarial de 5% e garantias contra terceirizações, diante de um plano da empresa para reduzir custos e melhorar o lucro anual em 1,5 bilhão de euros até 2014.