Tamanho do texto

Registrou aumento da fatia dos que se dizem otimistas, de 35% para 36%, e com relação às expectativas de vendas futuras, de 44% para 60%, e quanto às contratações, de 24% a 33%

Agência Estado

Os supermercadistas paulistas estão mais otimistas em relação às vendas e contratações, de acordo com sondagem divulgada nesta quarta-feira pela Associação Paulista de Supermercados (APAS). Em agosto, a Pesquisa de Confiança dos Supermercados do Estado de São Paulo registrou aumento da fatia dos que se dizem otimistas, de 35% para 36%. A parcela dos que apostam em um cenário neutro (ou sem mudanças) cresceu 37% para 40%, enquanto os pessimistas caíram de 28% para 24%.

A pesquisa mostra que também houve crescimento no otimismo com relação às expectativas de vendas futuras (de 44% para 60%) e quanto às contratações (de 24% para 33%) neste mês. Outros destaques foram o aumento de três pontos percentuais no otimismo em relação ao futuro (37,1% para 40,2%) e a queda do pessimismo quanto à expectativa futura, de 28% em julho para 18% em agosto.

Na opinião do diretor do Departamento de Economia da APAS, Martinho Paiva Moreira, a proximidade das festas de fim de ano - período com maior volume de vendas no ano - e a redução das taxas de juros são fatores que impactam para a melhora na confiança do setor supermercadista. "Além disso, com a redução das taxas há um ambiente mais propício para o incremento nos investimentos em expansão ou ampliação e reformas", destaca Moreira.<p><p>

Conjuntura

Um fato que chama a atenção é que o otimismo com relação aos juros, tanto da percepção atual quanto da expectativa futura é o maior de toda a série histórica: 28% e 67%, respectivamente. Houve melhora significativa quanto à expectativa futura da evolução do PIB (de 29% de otimismo em julho para 60% em agosto), o que em parte é reflexo das ações do governo em estimular a economia em busca de um impulso à atividade econômica.

"A conjunção de otimismo com o PIB, aliada ao aumento da expectativa de maior contratação e à expectativa positiva com relação ao desempenho das vendas no futuro, determinaram a elevação da satisfação, aumento do otimismo e consequente alta da confiança do setor supermercadista", ressalta Moreira.