Tamanho do texto

Número mínimo para a primeira transferência dobra de 5 mil para 10 mil pontos. BB diz que está seguindo a concorrência. Regras atuais valem até o final de junho

Quem faz parte do programa “Pontos para você”, do Banco do Brasil (BB), e tem planos de trocar os créditos acumulados por milhas em companhias aéreas, deve se apressar. Sob a alegação de que bancos concorrentes estão fazendo o mesmo, a instituição decidiu elevar o limite mínimo de créditos para a transferência de pontos para programas de milhagem de companhias aéreas. A partir do dia primeiro de julho, serão necessários 10 mil pontos para a primeira transferência, o dobro do número de créditos exigido atualmente.

Leia também:  Como se dar bem com programas de milhagem

Mais: Conheça os programas de fidelidade das companhias aéreas

As trocas seguintes, que até agora tinham limite mínimo de 1 mil pontos, também vão subir para 10 mil pontos, conforme noticiou recentemente o site de viagens Melhores Destinos. Assim, mesmo quem já trocou milhas antes terá que acumular dez vezes mais créditos para fazer uma nova troca, e duas vezes mais do que precisou para fazer a primeira. Terá também bem mais dificuldade para aproveitar promoções de companhias aéreas como TAM e Gol, que têm feito promoções de trechos nacional por menos de 5 mil milhas.

Em comunicado, o BB diz que busca “adequar-se à prática dos bancos concorrentes”, sem especificar quais, e que as regras atuais valem até o final deste mês. Procurado, o Santander, outro grande banco, afirma que mantém o número mínimo de pontos para troca (1 mil) e que tem feito esforços para tornar outros produtos de seu programa mais acessíveis – televisores, por exemplo. Procurado, o Itaú não retornou a solicitação de entrevista.

Torneira fechada

Segundo fonte de uma companhia aérea que não quer se identificar, o motivo por trás da decisão pode ser o crescimento da troca de pontos por milhas aéreas, que vêm impulsionando fortemente a receita de programas de milhagem, como o Multiplus, da TAM – a Gol também tem o seu, o Smiles, herdado da Varig, mas o programa não pertence a uma companhia independente, com ações em bolsa e dados públicos, como o Multiplus.

Leia ainda:  Programas de pontos vão além das companhias aéreas

Toda vez que um cliente pede ao seu banco que troque os pontos que têm acumulado por milhas aéreas, o banco tem que comprar essas milhas do programa de milhagem ou direto das companhias aéreas parcerias. Em 2010, o Multiplus vendeu dessa forma 52,2 bilhões de milhas aéreas e faturou com isso R$ 1,12 bilhão. No ano passado, as vendas cresceram para R$ 1,52 bilhão, por 76,2 bilhões de milhas. De lá para cá, o preço de cada milha vendida pelo programa de milhagem tem oscilado pouco acima de R$ 0,02 – o que significa que 10 mil pontos custam aos bancos cerca de R$ 200 e, 5 mil pontos, R$ 100.

Os pontos acumulados em compras de cartões de créditos e estabelecimentos comerciais parceiros do Multiplus – no primeiro quadrimestre deste ano eram 200 – podem ser trocados também por outros tipos de produtos, como batedeiras, televisores, chapinhas para o cabelo, barbeadores e aspiradores de pó. Mas 99% dos resgates são feitos em passagens aéreas. “É algo que mostra o sucesso desses programas de milhagem na fidelização de clientes”, avalia Volney Gouveia, professor da Escola de Engenharia e Tecnologia da Universidade Anhembi Morumbi, que tem curso graduação em aviação civil.

Leia mais:  Ações da Multiplus mostram ganhos no curto prazo

Por essa lógica, a elevação do valor mínimo seria uma forma de conter os desembolsos com passagens aos clientes, especialmente em um momento em que as companhias aéreas têm feito promoções agressivas para o desconto de milhas, com trechos custando menos de 5 mil pontos, mesmo em períodos de alta temporada.

Outro motivo potencial para a elevação do limite mínimo levantado pelo executivo de companhia aérea seria reduzir o ritmo de troca de pontos por milhas, em função da variação cambial. Segundo ele, muitos dos contratos feitos entre os programas de milhagem, companhias aéreas e instituições financeira são balizados em dólar. Assim, muitas milhas acumuladas em anos recentes, quando o dólar estava cotado próximo a R$ 1,50, estariam sendo descontadas agora com o dólar acima de R$ 2, causando prejuízo ao banco.

Gouveia, da Anhembi Morumbi, diz ainda que, no final das contas, o poder de negociação de preço de milhas está mais na mão de companhias aéreas, que descobriram nos programas de milhagem um interessante filão de receita – a ponto de o Multiplus ter ações se valorizando mais que as da própria Tam. “Essas milhas podem estar custando caro”, afirma. “Os prejuízos recentes das companhias aéreas, de alguma forma, impactam nessa negociação”.

Veja mais dicas para não desperdiçar suas milhas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.