Tamanho do texto

Jack Welch, ex-presidente da General Electric entre 1981 e 2001, recebeu R$ 744 milhões

Jack Welch, ex-presidente da GE, embolsou US$ 417 milhões em ações e dinheiro ao se aposentar
Getty Images
Jack Welch, ex-presidente da GE, embolsou US$ 417 milhões em ações e dinheiro ao se aposentar
Após Jack Welch, ex-presidente da General Electric, se aposentar da empresa americana em 2002, um processo de divórcio o forçou a revelar um pacote de benefícios que ele ainda recebia da companhia e chegava a US$ 2,5 milhões por ano (cerca de R$ 4,4 milhões).

Faziam parte do acordo serviços como o aluguel mensal de um apartamento em Manhattan no valor de US$ 80 mil (mais de R$ 140 mil), cadeiras cativas em jogos de basquete, tênis e baseball, serviços de segurança e contas de restaurantes.

Leia também: Jack Welch, ex-presidente da GE, estreia reality show nos EUA

Após o escândalo, Welch abriu mão do pacote, deixando claro que só receberia, a partir dali, o "tradicional apoio administrativo" estabelecido pelo contrato firmado com a empresa na qual havia passado 20 anos de sua vida. Esse apoio, no entanto, em muito ultrapassou o controverso pacote de luxo, segundo um estudo da consultoria GMI.

De acordo com o levantamento, o valor total do acordo de aposentadoria embolsado por Welch em ações e dinheiro chegou a US$ 417 milhões (R$ 744 milhões), o que inclui uma pensão vitalícia de US$ 9 milhões por ano (quase R$ 16 milhões).

ESPECIAL: Como garantir uma aposentadoria confortável

O acordo fez do guru do mundo dos negócios o CEO aposentado mais bem remunerado desde os anos 2000, mas a recisão milionária paga a Welch está longe de ser a única com tantos zeros registrada na última década.

A GMI compilou ao menos 21 CEOs que receberam mais de US$ 100 milhões (R$ 177 milhões) nos chamados pacotes "walk-away". Juntos, esses ex-executivos embolsaram quase US$ 4 bilhões (mais de R$ 7 bi).

Confira abaixo os 10 maiores valores pagos a ex-presidentes em rescisões de contrato:

Jack Welch (CEO da General Electric entre 1981 e 2001): US$ 417.361.902

Lee Raymond (CEO da Exxon entre 1993 e 2005): US$ 320.599.861

William McGuire (CEO do UnitedHealth Group entre 1991 e 2006): US$ 285.996.009

Edward Whitacre Jr . (CEO da AT&T entre 1990 e 2007): US$ 230.048.463

Robert Nardelli (CEO da Home Depot entre 2000 e 2007): US$ 223.290.123

John Kanas (CEO do North Fork Bank entre 1977 e 2006): US$ 214.300.000

Fred Hassan (CEO da Merck & Co., Inc./Schering-Plough entre 2003 e 2009) US$ 189.352.324

Louis Gerstner Jr. (CEO da International Business Machines entre 1993 e 2002): US$ 189.005.929

Hank McKinnell Jr. (CEO da Pfizer entre 2001 e 2006): US$ 188.329.553

Thomas Ryan (CEO da CVS Caremark Corporation entre 1998 e 2011): US$ 185.415.435

Entre os 21 CEOs apontados pela GMI, quatro atuavam em companhias do setor financeiro e quatro na área da saúde. Do total de compensações recebidas pelos ex-executivos, US$ 1,7 bilhão vem de lucros de ações e US$ 1,5 bilhão, de pagamentos de pensões e outros valores ainda não recebidos. Somados, ambos representam 80% do montante desembolsado pelas empresas. Os outros 20% combinam pagamentos em dinheiro, bônus e salários.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.