Tamanho do texto

Diniz contratou Márcio Thomaz Bastos, ex-ministro de Lula, e Jean-Charles Naouri chamou José Carlos Dias, ex-ministro de FHC

A batalha entre Abilio Diniz e Jean-Charles Naouri, controlador do Casino, pelo controle do Grupo Pão de Açúcar será travada por dois juristas e criminalistas de peso. Diniz contratou Márcio Thomaz Bastos, ex-ministro da Justiça do governo Lula, e Naouri contratou José Carlos Dias, ex-ministro da Justiça de Fernando Henrique Cardoso.

A contratação Thomaz Bastos pode ser interpretado como um sinal de que Diniz buscará apoio do governo para aprovar seu plano de fusão com o Carrefour, à revelia de seu sócio.

O Casino informou que José Carlos Dias foi chamado para assessorar juridicamente o grupo no Brasil.

Tribunal arbitral

O Casino e Abilio Diniz também já nomearam os juízes que irão julgar o litígio entre eles em um tribunal arbitral em São Paulo, segundo apurou o iG . Cada um dos sócios do Grupo Pão de Açúcar tem o direito de indicar um árbitro e um terceiro juiz será nomeado com a concordância de ambos.

O processo na Câmara de Arbitragem foi aberto por Jean-Charles Naouri, que acusa Diniz de ter ferido o acordo de acionistas firmado entre eles em 2006, quando o Casino pagou um prêmio pelo controle da varejista brasileira a Diniz. Os dois são sócios da Wilkies, holding que controla do Pão de Açúcar, e o Casino terá o direito de comprar uma ação a mais de Diniz em 2012, tornando-se majoritário no bloco de controle.

Diniz iniciou há ceca de dois meses negociações com o Carrefour sem que o Casino soubesse e apresentou, nesta semana, um plano para a fusão das operações do Carrefour com o Grupo Pão de Açúcar. Pela proposta, o Casino passaria a ser minoriario da nova empresa, enquanto o Carrefour terá uma participação de 50%. O Carrefour e o Casino são fortes concorrentes na França.

Leia também:

Casino compra mais 6% em ações do Pão de Açúcar na bolsa

Preço do Pão de Açúcar foi avaliado em R$ 20,5 bi em fusão

Brecha legal pode facilitar união entre Carrefour e Pão de Açúcar

Walmart encara ameaça de ser 'eterno vice' no Brasil