Tamanho do texto

Carrefour deixou de ser o 'patinho feio' do mercado e passou uma 'noiva' cobiçada pelo Grupo Pão de Açúcar, Cencosud e Walmart

Loja do Carrefour no Brasil: perdas contábeis de R$ 1,2 bilhão
AE
Loja do Carrefour no Brasil: perdas contábeis de R$ 1,2 bilhão
O Carrefour parece ter conseguido virar o jogo no Brasil. Em seis meses, os franceses deixaram de ser o ‘patinho feio’ do mercado varejista e se transformaram em ‘noiva’ (como dizem especialistas em fusões e aquisições) agora disputada pelos seus grandes concorrentes na América Latina: o Grupo Pão de Açúcar, a rede chilena Cencosud e a gigante americana Walmart.

Em outubro de 2010, o Carrefour ficou em uma situação difícil ao anunciar a descoberta de um rombo milionário em sua subsidiária brasileira, que fora acumulado durante vários anos de desvios em sua contabilidade. As perdas alcançaram 550 milhões de euros (R$ 1,2 bilhão) e sinalizaram que o Carrefour deveria, dessa vez, dar adeus ao Brasil, o que sempre foi negado pela multinacional.

Mas, de acordo com Le Journal du Dimanche, o Carrefour contratou o banco de investimentos Lazard para avaliar alternativas para os negócios brasileiros.

Como em toda negociação, os compradores sempre buscam se aproveitar da fragilidade de quem está do outro lado balcão para baixar os preços. E parecia que o Carrefour entraria em desvantagem nas negociações, sobretudo com o Walmart, considerado o concorrente mais forte para a aquisição das operações dos franceses no Brasil.

No entanto, desde que surgiram rumores na imprensa francesa de que Abilio Diniz, herdeiro do Grupo Pão de Açúcar, teria se aproximado do Carrefour para costurar uma fusão das suas operações no Brasil, a maré parece ter mudado a favor dos franceses.

Na quinta-feira, foi o Cencosud quem surgiu no páreo. Segundo notícias publicadas pelo jornal El Financiero, o controlador da Cencosud, Horst Paulmann, "estaria em conversas com altos executivos do Carrefour a fim de comprar alguns dos ativos da rede francesa".

Versão chilena de Abilio

Paulmann é uma espécie de versão chilena de Abilio Diniz. Nascido em 1935 na Alemanha, ele migrou com sua família primeiro para a Argentina e depois para o Chile.

No fim doa anos 70, o empresário inaugurou os primeiros hipermercados do Chile com a marca Jumbo, coincidentemente a mesma bandeira utilizada na época pelo Grupo Pão de Açúcar no Brasil.

Depois do Cencosud e do Pão de Açúcar, agora só faltam rumores sobre o interesse do Walmart nas operações brasileiras. Os americanos são vistos, entre os executivos especializados em fusões e aquisições, como o comprador mais “natural” das operações do Carrefour no Brasil. O Walmart é o terceiro colocado no ranking brasileiro e nunca escondeu suas pretensões de assumir uma posição de liderança no Brasil.

O Cencosud já é dono no Brasil das redes G.Barbosa, que atua no Nordeste, e comprou recentemente a rede Bretas, de Minas, e figura em quarto lugar no ranking brasileiro de supermercados. Além do Brasil, o grupo chileno já se estabeleceu na Argentina, Peru e Colômbia e tem um projeto de se expandir na América Latina.

Veja o ranking dos supermercados no Brasil :

Empresa                                                Faturamento (2010)           Crescimento

Grupo Pão de Açúcar                            R$ 36,1 bilhões                         37,8%

Carrefour                                               R$ 29,0 bilhões                         13,2%

Walmart                                                  R$ 22,3 bilhões                         13,2%

Cencosud (GBarbosa e Bretas)              R$ 3,5 bilhões                           40,5% 

Zaffari                                                     R$ 2,5 bilhões                            18,0%

Fonte: Associação Brasileira de Supermercados (Abras)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.