Tamanho do texto

Importações japonesas registraram queda de 27,3%, na comparação entre o segundo mês de 2012 e 2011

selo

A exportação brasileira de carne de frango alcançou 610,5 mil toneladas nos dois primeiros meses de 2012, representando crescimento de 3,1% em relação às 591,9 mil toneladas do mesmo período do ano passado. A receita cambial no primeiro bimestre foi de US$ 1,174 bilhão, queda de 0,2% em comparação com US$ 1,176 bilhão de 2011. As informações são de levantamento da União Brasileira de Avicultura (Ubabef), divulgado nesta terça-feira.

Em fevereiro passado, o volume dos embarques de carne de frango teve queda de 5% (281,6 mil toneladas), ante as 296,5 mil toneladas exportadas no mesmo mês de 2011. Houve queda de 8,2% em receita, que alcançou US$ 539,6 milhões em comparação com US$ 588,1 milhões do ano passado. O presidente executivo da Ubabef, Francisco Turra, informou por meio de comunicado que o fraco desempenho em fevereiro decorre da redução das compras de mercados, como o Japão, que está utilizando seus estoques do produto neste começo de ano e havia importado volumes acima da média em fevereiro do ano passado.

As importações japonesas registraram queda de 27,3%, na comparação entre o segundo mês de 2012 e 2011. Segundo Turra, o desempenho teve, ainda, influência das exportações para o Irã, que desde agosto do ano passado reduziu drasticamente suas compras como forma de proteger os produtores internos. Houve queda também nos embarques com destino ao Kuwait, indiretamente prejudicados por um problema de certificação estabelecida pelo Iraque, que é destino de parte destas exportações ao Kuwait.

O presidente executivo da Ubabef destacou, ainda, o impacto negativo que a instabilidade cambial causa ao setor. Conforme Turra, o governo federal já adotou medidas, mas os exportadores ainda precisam de mais iniciativas que deem segurança aos negócios. Segundo ele, as exportações vão exigir, este ano, mais atenção por parte da equipe econômica.

Continua: dificuldades burocráticas estão atrapalhando o Reintegra (regime especial lançado pelo governo em dezembro de 2011 para desonerar as exportações de resíduos de impostos indiretos, como Cide, IOF, PIS e Cofins). "Em quatro anos jamais vi, por exemplo, tantos movimentos de barreiras protecionistas aos produtos brasileiros", concluiu no comunicado.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.