Tamanho do texto

São Paulo, 26 - O Serviço Federal de Vigilância Veterinária e Fitossanitária da Federação Russa (Rosselkhoznadzor), em determinação emitida no último dia 21 e disponível no site do órgão, decidiu por suspender temporariamente os embarques de frango da unidade de Serafina Corrêa (RS) da BRF - Brasil Foods

selo

São Paulo, 26 - O Serviço Federal de Vigilância Veterinária e Fitossanitária da Federação Russa (Rosselkhoznadzor), em determinação emitida no último dia 21 e disponível no site do órgão, decidiu por suspender temporariamente os embarques de frango da unidade de Serafina Corrêa (RS) da BRF - Brasil Foods. A decisão é válida para lotes embarcados depois do dia 4 de novembro. Segundo o documento, exames de rotina identificaram o uso de substâncias proibidas e prejudiciais em produtos de origem animal enviadas à Rússia. No caso dos frangos da BRF, foi encontrada a bactéria listeria. Na lista de empresas que tiveram seus embarques suspensos estão ainda uma unidade de carne suína nos Estados Unidos da Swift Pork Company, do grupo brasileiro JBS-Friboi, e outras na Eslováquia, na Alemanha, no Uruguai e na Ucrânia. Para a BRF, o impacto desse embargo russo será mínimo. "Ainda não fomos formalmente informados e notificados pelo serviço sanitário russo sobre o embargo. Mas o impacto dessa decisão para a companhia será zero", disse o vice-presidente de assuntos corporativos da BRF, Wilson Mello. Segundo ele, a unidade de Serafina Corrêa exporta aproximadamente 450 toneladas por mês à Rússia, representativas de 2% a 3% do total que a companhia vende àquele país, de cerca de 20 mil toneladas/mês. Atualmente, a empresa possui nove unidades habilitadas a exportar para a Rússia. "Esse volume embargado será facilmente atendido por outras unidades da companhia habilitadas para exportação ao país", afirmou Mello.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.