Tamanho do texto

O produto passou a custar 27,67 yuan/kg (US$ 4,30), mais do que o pico anterior de 26 yuan, estabelecido em 2008

selo

Os preços dos suínos, um alimento básico na dieta chinesa, atingiram nova máxima na China neste mês, por causa da elevação dos custos de produção e da oferta apertada, de acordo com a mídia estatal. A explicação vem à tona em meio a preocupações persistentes com a inflação no país.

A carne suína passou a custar 27,67 yuan/kg (US$ 4,30), mais do que o pico anterior de 26 yuan, estabelecido em 2008, segundo o jornal China Daily, que menciona o analista Feng Yonghui, do serviço de monitoração online do mercado de suínos Soozhu.com.

O custo do suíno vivo também aumentou para 18,57 yuan/kg no fim da semana passada, superando o recorde anterior, de 17,20 yuan/kg, registrado em abril de 2008. "O preço vai continuar subindo até o fim do ano", disse o economista Zhu Baoliang, do Centro de Informação do Estado, um instituto de pesquisa do governo, segundo o jornal.

Os preços do milho, que corresponde a cerca de 60% da ração dos suínos, atingiram um recorde em março, elevando os preços dos suínos nos meses seguintes, recordou Feng. Ele alertou que a elevação de preços dos suínos, que correspondem a 65% do consumo de carnes da China, ameaça puxar também os preços dos grãos e dos vegetais, conforme os consumidores buscarem alternativas à carne.

O governo pode tentar conter a alta liberando estoques, segundo Zhu. No entanto, os efeitos podem ser limitados, pois a falta de oferta é generalizada, depois que produtores abateram animais e diminuíram rebanhos no ano passado, por causa de preços baixos e de doenças. As informações são da Dow Jones.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.