Tamanho do texto

Prorenova favoreceria diminuição de desequilíbrios no preço do etanol no mercado doméstico, segundo gerente do banco

selo

O novo programa do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, o BNDESProrenova, que incentivará produção brasileira de cana-de-açúcar, deve influenciar mais o mercado de etanol do que o de açúcar, nas palavras do gerente setorial do departamento de Biocombustíveis do BNDES, Arthur Milanez.

Com a provável maior disponibilidade de matéria-prima, distorções entre oferta e demanda podem ser suavizadas, o que favoreceria diminuição de desequilíbrios no preço do etanol no mercado doméstico. "O açúcar é um preço internacional com variáveis que fogem ao alcance de um programa como este. O preço do etanol tem mais a ver com mercado doméstico", afirmou Milanez.

Leia mais : BNDES lança programa para incentivar produção de cana

"O programa tem muito mais potência para mexer na variável preço do etanol, que é endógena, do mercado doméstico, do que potência para mexer no preço do açúcar", frisou o chefe do departamento de Biocombustíveis do BNDES, Carlos Eduardo Cavalcanti. Atualmente, a capacidade ociosa das usinas voltadas para produção de açúcar é muito menor do que as ligadas à produção de etanol.

"A capacidade ociosa das destilarias atualmente é superior a 30%" acrescentou Cavalcanti. Com orçamento de R$ 4 bilhões, o programa deve financiar a renovação e/ou ampliação de mais de 1 milhão de hectares de cana-de-açúcar. Este cálculo foi feito pelo BNDES levando em conta os recursos do novo programa e o custo de produção médio em um canavial, de R$ 4.500 por hectare.

Veja também : Grande exportação de etanol aos EUA é sonho distante

Cavalcanti comentou que a ideia por trás do programa é a percepção do banco da necessidade de suprir, com urgência, a crescente demanda por matéria-prima das usinas. Cavalcanti lembrou que a frota de carros flex cresce, no País, em torno de 10% ao ano.

A procura por etanol no mercado doméstico sobe na mesma magnitude. Na análise do executivo, as taxas de crescimento da demanda pelo combustível sustentarão o interesse pelo programa, que pode ser renovado, a depender da procura. A vigência do BNDESProrenova vai até 31 de dezembro deste ano.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.