Tamanho do texto

Somente em 2011 foram erradicadas 5,2 milhões de plantas com greening, 2,9 milhões delas no segundo semestre

selo

Cerca de 16,2 milhões de plantas cítricas foram erradicadas dos pomares do Estado de São Paulo entre julho de 2008 e dezembro de 2011 por causa do greening, segundo informou hoje o diretor do grupo de defesa sanitária vegetal da Coordenadoria de Defesa Agropecuária (CDA) de São Paulo, Euclides de Lima Moraes Filho.

A partir do segundo semestre de 2008 a eliminação obrigatória de plantas com sintomas da doença e a posterior notificação à CDA, que antes eram feitas pelo Estado, passaram a ser feitas pelo citricultor paulista. O total erradicado desde 2008 equivale a 7% do atual parque citrícola do Estado, de 232 milhões de árvores.

Mais : Da muda ao copo: conheça o processo de produção do suco de laranja brasileiro

Dados do setor apontam que em 2008, São Paulo tinha pouco mais de 240 milhões de plantas citrícolas, principalmente laranja, e que o número foi reduzido para cerca de 232 milhões de plantas ao final de 2011. A maior parte da diminuição ocorreu por conta do greening, mas também pela erradicação por outras doenças, como cancro, e por produtores que deixaram a atividade.

Hoje, a CDA informou que somente em 2011 foram erradicadas 5,2 milhões de plantas com greening, 2,9 milhões delas no segundo semestre. A redução no total de plantas só não foi maior porque houve o replantio de mudas no lugar das arrancadas e ainda o cultivo de novos pomares cresceu no Estado, principalmente na região Sudoeste, no entorno de cidades como Botucatu, Avaré e Itapetininga.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.