Tamanho do texto

A nova safra de grãos 2010/2011, em fase inicial de plantio, deve ficar entre 145,72 milhões de toneladas e 147,93 milhões de toneladas, o que corresponde a uma redução de 887,6 mil toneladas (baixa de 0,6%) a 3,1 milhões de toneladas (queda de 2,1%) sobre a safra passada, que alcançou recorde de 148,82 milhões de toneladas

selo

A nova safra de grãos 2010/2011, em fase inicial de plantio, deve ficar entre 145,72 milhões de toneladas e 147,93 milhões de toneladas, o que corresponde a uma redução de 887,6 mil toneladas (baixa de 0,6%) a 3,1 milhões de toneladas (queda de 2,1%) sobre a safra passada, que alcançou recorde de 148,82 milhões de toneladas. O resultado faz parte do primeiro levantamento de intenção de plantio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), divulgado hoje.

A área destinada ao plantio deve variar entre 47,32 milhões de hectares (queda de 0,1%) e 47,99 milhões de hectares (aumento de 1,3%) em relação à safra anterior, quando foram cultivados 47,37 milhões de hectares. Os técnicos da Conab ressaltaram que os números deste primeiro levantamento se baseiam numa média de produtividade obtida nas últimas cinco safras. Foram descartados os anos atípicos e o ganho tecnológico foi agregado.

Em termos de área e produção, o destaque da primeira pesquisa é o algodão em caroço, em virtude dos bons preços do produto no mercado. A produção da fibra deve aumentar de 2,43 milhões de toneladas (alta de 32,5%) a 2,57 milhões de toneladas (aumento de 39,3%), comparado com o período passado, que foi de 1,84 milhões de toneladas. Já a área plantada pode crescer de 1,01 milhão de hectares (alta de 21,9%) a 1,07 milhão de hectares (aumento de 29,1%).

Em contrapartida, os principais responsáveis pela variação negativa na produção e na área desta safra são a soja e o milho total (primeira e segunda safra). A previsão é de que os sojicultores colham de 67,60 milhões de toneladas (queda de 1,5%) a 68,90 milhões de toneladas (alta de 0,3%) ante a safra anterior, de 68,68 milhões de toneladas. A área destinada à leguminosa varia positivamente de 23,76 milhões de hectares (alta de 1,3%) a 24,20 milhões de hectares (aumento de 3,1%). A safra anterior foi de 23,46 milhões de hectares.

Já o milho total pode apresentar queda na produção, para 51,83 milhões de toneladas (recuo de 7,5%) a 52,41 milhões de toneladas (baixa de 6,5%) sobre as 56 milhões de toneladas do ciclo anterior. A área deve diminuir para 12,71 milhões de hectares (queda de 2,1%) a 12,81 milhões de hectares (recuo de 1,3%). A primeira safra de milho, em fase de plantio, deve ficar entre 30,5 milhões de toneladas e 31,1 milhões de toneladas, o que representa uma queda de 10,4% a 8,7% sobre o ciclo anterior (34,1 milhões de toneladas).

A pesquisa da Conab foi realizada por 50 técnicos, entre os dias 19 e 25 de setembro, nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste do País. Segundo a Conab, no Norte e no Nordeste, onde o plantio começa em dezembro, foram considerados os dados de área da safra anterior e a produtividade média dos cinco últimos anos.

IBGE

Em outra divulgação do dia sobre o setor agrícola, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que a safra 2010 deverá totalizar 148,9 milhões de toneladas, segundo o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) de setembro. A projeção é 0,6% superior à pesquisa relativa a agosto (148,0 milhões de toneladas) e, se confirmada, vai garantir uma safra, este ano, 11,1% maior que a colhida no ano passado (134,0 milhões de toneladas). Já a área a ser colhida em 2010, de 46,7 milhões de hectares, é 1,1% menor que a de 2009.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.