Tamanho do texto

Ainda temos quatro conselheiros que precisam ser ouvidos para que a votação não seja levada ao radicalismo, que é a reprovação

selo

O vice-presidente de assuntos corporativos da BRF Brasil Foods , Wilson Mello, falou rapidamente com a imprensa após a sessão desta quarta-feira do julgamento da fusão Sadia/Perdigão no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), em Brasília.

"Continuaremos trabalhando no sentido de encontrar uma solução negociada com o Cade. Hoje tivemos um voto, do relator, mas faltam ainda quatro votos. A companhia ainda acredita que existem argumentos que determinem uma solução negociada e que esses sejam encontrados, o que a empresa defendeu desde o início." Sobre o pedido de vistas do conselheiro Ricardo Ruiz, o executivo se mostrou otimista.

"Temos agora oportunidade de conversar com os outros conselheiros, que até agora não tiveram tempo e acesso suficiente às informações para analisar corretamente o processo e o voto do relator." Questionado sobre se o tempo do pedido de vistas seria insuficiente (até o dia 15 de junho), Mello reafirmou que o otimismo prevalece.

"Ainda temos quatro conselheiros que precisam ser ouvidos para que a votação não seja levada ao radicalismo, que é a reprovação da fusão", concluiu Mello. O conselheiro relator do Cade no caso Sadia-Perdigão, Carlos Ragazzo, votou hoje pela reprovação da fusão entre as duas companhias.