Tamanho do texto

Araçatuba, SP, 20 - O preço da arroba do boi gordo bateu recorde histórico e atingiu pela primeira vez a barreira dos R$ 100,00 no mercado físico

selo

Araçatuba, SP, 20 - O preço da arroba do boi gordo bateu recorde histórico e atingiu pela primeira vez a barreira dos R$ 100,00 no mercado físico. Um pecuarista de Araçatuba embarcou na manhã desta quarta-feira 160 cabeças de gado vendidas um dia antes a um frigorífico de médio porte por R$ 100,00 a arroba. "Chegou a hora de repormos as perdas acumuladas em cinco anos de crise", disse o pecuarista Alfredo Ferreira Neves Filho, presidente da Câmara Setorial da Carne Bovina da Secretaria da Agricultura. A média do preço à vista, medida pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea /USP) na terça-feira, chegou a R$ 100,39, com uma variação média mensal positiva de 7,87%. No mercado financeiro, o valor também superou os R$ 100,00, segundo o indicador do boi gordo da Esalq/BM&FBovespa, que fechou na terça-feira a R$ 101,06 e se aproximou do maior valor real da série do indicador, iniciada em 1997. O preço, que animou os pecuaristas de Araçatuba, porém, pode ter vida curta. Segundo o professor e pesquisador da Esalq Sérgio De Zen, os preços devem cair a partir de novembro, quando os animais de pasto serão colocados no mercado, substituindo os animais de confinamento. As chuvas de setembro/outubro recuperaram os pastos e os dias mais longos vão favorecer a alimentação dos animais, o que deve acarretar aumento da oferta. Essa situação, segundo ele, poderá amenizar uma crise causada pelo desencontro entre oferta e demanda. Esse desencontro, de acordo com De Zen, foi o agente que provocou as altas consecutivas até ultrapassar a barreira dos R$ 100,00. "A cada dia tanto pecuaristas quanto frigoríficos sentiram a falta de oferta, que não tinha como aumentar de uma hora para outra", diz. Além disso, segundo De Zen, houve outros fatores que agravaram a situação. Entre 2005 e 2007 houve uma crise de preços, o que acarretou a redução da taxa de investimento na pecuária. E entre 2007 e 2008 o mundo, assim como o mercado interno, passou a consumir mais proteína animal, principalmente bovina, causando aumento da demanda e redução da oferta. "Então, faltou carne, criando um problema que não se ajeita em pouco tempo", explicou. <b>Varejo</b> Para De Zen, o reajuste de preços poderá nem chegar ao varejo, pois para isso, depende de um processo lento em que são levados em conta diversos fatores envolvendo o mercado interno e as exportações. "Pode ser que esse reajuste acabe ficando pelo caminho e não chegue ao varejo", diz. Além disso, ainda há a chegada do final de ano, uma época em que o consumo de carne bovina historicamente se reduz e os preços caem nos açougues. No entanto, por enquanto, o valor da carne com osso negociado no atacado da Grande São Paulo, o preço é o maior de toda a série (real) medida pelo Cepea, iniciada em abril de 2001.A média parcial de outubro da carcaça casada de boi (com osso) é de R$ 6,17/kg.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.