Tamanho do texto

Londres, 5 - A agricultura é a "maior fragilidade" da China, após as tão necessárias reformas do trabalho e das terras rurais terem sido adiadas, deixando as ofertas atrás da crescente demanda urbana, disse hoje Larry Brainard, economista-chefe e diretor de pesquisa da consultoria Trusted Sources

selo

Londres, 5 - A agricultura é a "maior fragilidade" da China, após as tão necessárias reformas do trabalho e das terras rurais terem sido adiadas, deixando as ofertas atrás da crescente demanda urbana, disse hoje Larry Brainard, economista-chefe e diretor de pesquisa da consultoria Trusted Sources. "A China se tornará cada vez mais um importante importador de alimentos, especialmente de produtos (usados na fabricação) de ração animal, como soja e milho", afirmou ele em uma conferência de commodities, em Londres. A China foi um grande exportador de milho no começo da última década, mas Brainard informou que uma demanda maior da indústria de ração animal, o desenvolvimento da produção de etanol e o baixo nível dos estoques globais levaram o país a recorrer às importações. "O Brasil está muito bem posicionado para satisfazer a demanda da China", revelou o economista. De acordo com ele, a resposta da oferta global ao aumento da demanda "pode ser substancial, mas o comércio global de commodities alimentícias será vulnerável a choques periódicos, como a proibição (dos embarques) de trigo pela Rússia neste ano." Brainard acrescentou que "os preços serão voláteis, como consequência." Em agosto, o governo russo suspendeu as exportações de trigo, após o verão mais quente em mais de 100 anos ter provocado uma estiagem, que prejudicou gravemente a safra local. A restrição ainda está em vigor, embora o governo esteja monitorando a situação. As informações são da Dow Jones.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.