Tamanho do texto

Companhia americana de sementes teve queda de 6% no lucro, mas ações subiram mais de 5%

Reuters

Soja transgênica da Monsanto: companhia teve lucro de US$ 858 milhões no trimestre
Getty Images
Soja transgênica da Monsanto: companhia teve lucro de US$ 858 milhões no trimestre

A americana Monsanto informou queda de 6% lucro trimestral nesta quarta-feira (25), mas as ações da maior companhia de sementes do mundo saltaram mais de 5%, com a companhia elevando o piso da sua meta para o ano fiscal e a perspectiva dobrar os ganhos nos próximos cinco anos.

A companhia também anunciou a autorização para a recompra de 10 bilhões de ações.

A Monsanto, conhecida por desenvolver sementes geneticamente modificadas de milho, soja e outras culturas, bem como por seu popular herbicida Roundup, disse que apesar de os ganhos do trimestre encerrado em 31 de maio terem diminuído por conta de condições desafiadoras do mercado, o cenário de modo geral é favorável.

Leia também: França proíbe milho geneticamente modificado da Monsanto antes do plantio

O presidente do Conselho Hugh Grant disse que a meta da companhia para o ano fiscal 2019 é pelo menos dobrar o lucro anual excluindo alguns itens extraordinários.

A Monsanto teve lucro de US$ 858 milhões, ou US$ 1,62 por ação no terceiro trimestre fiscal, queda ante US$ 909 milhões, ou US$ 1,68 por ação, de um ano atrás.

Analistas esperavam em média US$ 1,56 por ação, de acordo com pesquisa da Thomson Reuters.

A companhia elevou o piso de suas estimativas de lucro para o ano fiscal para US$ 5,10 por ação, ante US$ 5 previamente, mas manteve o teto em US$ 5,20.

A divisão de tratamento de sementes de milho, atualmente a maior fonte de receita da companhia, permanecerá como o principal motor de crescimento ao menos até 2019, estimou a empresa.

O milho contribuiu com US$ 1,3 bilhão neste trimestre do total de US$ 4,25 bilhões das vendas líquidas.

A Monsanto disse que suas áreas mais importantes de progresso estão na nova divisão de dados agrícolas, Climate Corp.

A companhia assinou acordo de colaboração com uma gama de parceiros no varejo, e conta com mais de 40 milhões de acres monitorados usando seu instrumento básico de dados agrícolas e mais de 1 milhão de acres usando seu serviço premium.

A companhia disse que vê a futura expansão nos instrumentos de agricultura de precisão no Brasil e Argentina nos próximos cinco anos.

A penetração de mercado até o momento é bem maior que o antecipado, e a companhia disse que vê a agricultura de precisão como uma oportunidade multibilionária, disse o presidente Brett Begemann. "Este é só o começo", disse ele.

A companhia disse que sua prioridade é buscar oportunidades de crescimento externo, incluindo investimentos em tecnologia e potenciais fusões e aquisições.

Grant disse que a companhia está adotando uma "abordagem corajosa" e poderá usar sua estrutura de capital mais agressivamente.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.