Tamanho do texto

Empresa brasileira assumirá o controle da americana Eco-Energy; nova companhia deterá 12% de participação do mercado global de etanol e atuará em todos os segmentos do setor

Reuters

Nova empresa será a única a oferecer portfólio completo de etanol
Divulgação Unica
Nova empresa será a única a oferecer portfólio completo de etanol

SÃO PAULO, 5 Nov (Reuters) - A Copersucar, maior trading de açúcar e etanol no Brasil, está investindo na norte-americana Eco-Energy para criar a maior comercializadora do biocombustível do mundo, informaram executivos da companhia brasileira nesta segunda-feira.

Com o negócio, a Copersucar assumirá o controle da Eco-Energy, numa operação que garantirá uma maior internacionalização da empresa e uma plataforma nos Estados Unidos, o maior produtor global de etanol. A companhia também visa maiores vendas para mercados importantes, como a Europa.

"A Copersucar passa a ser a única no mundo com portfólio completo de etanol... e terá participação ativa no comércio de etanol no mundo", disse o diretor-presidente da Copersucar, Paulo Roberto de Souza, em teleconferência para comentar o negócio.

A empresa, que tem 48 usinas associadas no Brasil, ainda vê a possibilidade de mitigar os riscos inerentes ao setor a partir da negociação com a Eco-Energy, uma vez que o portfólio da norte-americana inclui o etanol do milho.

"Na última quinta-feira, nós concluímos um processo de investimento na trading americana Eco-Energy... E o resultado deste investimento é que a trading passa a ser controlada pela Copersucar", disse Luís Roberto Pogetti, presidente do Conselho de Administração, durante a teleconferência.

A trading Eco-Energy tem 9% de participação no mercado norte-americano de etanol, é a terceira maior comercializadora do combustível nos Estados Unidos e movimenta perto de 5 bilhões de litros de etanol por ano.

As companhias estimam que irão deter 12% de participação no mercado global de etanol. Juntas, as empresas terão capacidade de ofertar 10 bilhões de litros do biocombustível ao ano.

CONFIDENCIAL

O diretor-presidente da Copersucar explicou que não houve compra de fatia ou participação acionária na Eco-Energy, mas disse que os atuais sócios da empresa dos EUA terão sua parte diluída com o investimento da Copersucar.

Ele explicou acordo de confidencialidade o impede de dizer a participação controlada pela Copercusar a partir do negócio anunciado nesta segunda-feira, assim como o total do investimento.

Os executivos informaram que a operação é financiada por captação no exterior.

"É uma linha de longo prazo, caracterizada como 'project finance', o que quer dizer que é compatível com a capacidade do negócio de gerar recursos para se auto-pagar", explicou o diretor-presidente da Copersucar.

(Reportagem Fabíola Gomes)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.