Tamanho do texto

Temores de que a seca nos EUA puxarão preços do cereal para novas máximas até o fim do ano impulsionam a demanda do setor pecuário chinês pelo trigo australiano para ração

Agência Estado

O clima seco está ameaçando a produção de trigo do maior Estado produtor do cereal na Austrália, aumentando a insegurança sobre a oferta global de grãos depois da estiagem nos Estados Unidos e dos crescentes temores de colheitas decepcionantes na Rússia e na Ucrânia. O analista sênior de grãos e oleaginosas do Rabobank Graydon Chong reduziu a estimativa de produção de trigo australiana no ano safra 2012/13 para 22,79 milhões de toneladas, queda de 20% em relação à safra recorde obtida no ano anterior, por conta das condições de seca que prejudicam o desenvolvimento das lavouras no Estado da Austrália Ocidental.

LeiaExportações de trigo da Austrália caem 3,8% em maio

Conforme Chong, temores de que a seca nos Estados Unidos, maior produtor mundial de milho, puxarão os preços do cereal para novas máximas recordes até o fim do ano estão impulsionando a demanda do setor pecuário chinês pelo trigo australiano para ração. "Haverá forte procura pelo trigo australiano para ração no ano comercial 2013, com possibilidade de exportações da ordem de 2 a 3 milhões de toneladas para a China", projetou o analista. "Todas as atenções estão agora voltadas à produção de trigo da Austrália para determinar o quanto os produtores locais podem se beneficiar (dessa demanda)."

No entanto, exportadores e analistas dizem que a Austrália Ocidental precisa de quantidades significativas de chuva antes do fim de setembro para recuperar as lavouras depois que partes do Estado tiveram níveis de precipitação perto da mínima histórica em julho. Caso atinja 22,79 milhões de toneladas, a safra de trigo australiana estaria em linha com a média dos últimos cinco anos. As informações são da Dow Jones.