Tamanho do texto

Objetivo é elevar a produção do estado em até sete vezes e gerar 6 mil empregos nos próximos cinco anos

Governador do Rio de Janeiro, Sergio Cabral assinou, nesta quarta-feira (29), um decreto para reduzir, de 24% para 2%, o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre a produção de etanol. Segundo Cabral, o objetivo da redução do imposto é ampliar os investimentos na indústria canavieira do estado e também combater a sonegação fiscal no setor. "Nossa meta é incentivar a recuperação das usinas no Rio de Janeiro e elevar a podução do estado", afirmou Cabral durante o Seminário Rio Capital da Energia - Etanol.

MaisAumento de etanol à gasolina ainda é indefinido, diz governo

Na última safra, o estado produziu cerca de 70 milhões de litros de etanol, o que representa apenas 0,5% da produção nacional, de 14 bilhões de litros. Segundo o secretário de desenvolvimento econômico do estado, Julio Bueno, a estimativa é de que a produção fluminense de etanol possa chegar a pelo menos 3,5% do total do Brasil em cinco anos, com a geração de 6 mil empregos diretos.

"O Rio de Janeiro consome, em média, 5% da produção nacional, o que demonstra que há espaço para elevar a produção e atender essa demanda", disse Bueno.

TambémGoverno estuda aumentar percentual de álcool na gasolina, diz Lobão

Para se habilitar ao benefício, as empresas obrigatoriamente deverão realizar investimentos. No caso das novas usinas a se instalarem no estado, o benefício será limitado à produção anual de 150 milhões de litros para uma única unidade, desde que seja feito um investimento mínimo de R$ 200 milhões em até seis anos. Para as usinas já instaladas, será exigido um investimento mínimo de R$ 10 milhões nos três primeiros anos e outros R$ 10 milhões nos três anos subsequentes, limitados a uma produção de 30 milhões de litros anuais.