Tamanho do texto

União Brasileira de Avicultura diz haver problemas para estocar milho e soja, além de "uma necessidade dramática de acesso a crédito"

Reuters

O produtor Érico Gustavo Didong, de Chapecó(SC), decidiu soltar os frangos na propriedade
SIRLI FREITAS/Agência RBS/AE
O produtor Érico Gustavo Didong, de Chapecó(SC), decidiu soltar os frangos na propriedade

Com a crise provocada pela combinação de forte alta dos custos de insumos e o crédito limitado, os avicultores brasileiros demitiram mais de cinco mil pessoas, informou a associação que reúne a indústria nesta terça-feira.

O levantamento da União Brasileira de Avicultura (Ubabef), feito com base em informações das associações estaduais de avicultura, indica que 5.750 pessoas foram demitidas nos últimos meses.

Segundo a entidade, o número de demissões "reflete o impacto da disparada de preços do milho e da soja sobre os custos de agroindústrias e de produtores avícolas, além da escassez de crédito".

A alta dos insumos fez a agricultura brasileira cortar a produção em 10% em julho, e a perspectiva da indústria é de que mais cortes venham a ocorrer se o setor não obtiver apoio governamental.

"O setor precisa que instrumentos de política agrícola que facilitem o acesso a estoques de milho e soja. Também há uma necessidade dramática de acesso a crédito, que desapareceu até mesmo no que diz respeito a bancos oficiais", disse Francisco Turra, presidente da Ubabef, em comunicado.

Segundo o levantamento da entidade, de janeiro a agosto deste ano foram registradas altas de preços em reais de 90% nos preços do farelo de soja, de 58% na soja em grão e de 44% no milho.

Os grãos são os principais insumos para o setor e compõem a base da alimentação dos frangos, representando 60% dos custos de produção do setor avícola.

Propostas

Entre algumas medidas propostas pela Ubabef estão realização de leilões de Prêmio de Escoamento da Produção (PEP), que ajudariam a escoar o milho das regiões produtoras para as áreas mais afetadas, leilões para formação de estoques reguladores e ampliação da venda a balcão para produtores e indústrias avícolas.

Em função da crise, algumas plantas foram fechadas e outras empresas entraram em recuperação judicial, segundo o comunicado que não deu mais detalhes.

Em meados de agosto, a avícola Diplomata fez o pedido de recuperação judicial, e Turra acrescentou que muitas empresas vêm enfrentando dificuldades de acesso a crédito para capital de giro.

A alta nos preços ocorre por conta de uma quebra de safra nos Estados Unidos, os maiores produtores e exportadores de soja e milho.

O mercado interno também sofre com uma escassez de soja, por conta da quebra de safra do Sul, no início do ano.

No caso do milho, o país deverá produzir um recorde, principalmente por conta do crescimento da segunda safra. Mas há escassez em Estados sulistas, especialmente no Rio Grande do Sul, que não planta o cereal na chamada "safrinha".

(Reportagem Fabíola Gomes)