Tamanho do texto

Governo estuda  como apoiar a venda do excedente de 40 milhões de caixas de laranja e viabilizar recursos para financiar a estocagem de outras 30 milhões

Safra de 2012 é 15% à do ano passado
Agência Estado
Safra de 2012 é 15% à do ano passado

A falta de compradores para as frutas precoces está prejudicando de 7 a 8 mil citricultores paulistas. As frutas devem apodrecer nos pomares, segundo o presidente da Câmara Setorial de Citricultura, Marco Antonio dos Santos, que na tarde desta segunda-feira participou de uma reunião com representantes das indústrias e do Ministério da Agricultura para discutir uma solução conjunta para o escoamento do excedente da safra 2012/2013, que está em fase inicial de colheita.

As indústrias têm priorizado o processamento da matéria-prima própria e de fornecedores com quem já têm contratos firmados. As frutas precoces representam 20% da safra de laranja, estimada em 364 milhões de caixas de 40,8 kg. Marco Antonio afirmou que houve avanços em relação às reuniões anteriores, pois foram criados dois grupos de trabalho que, a partir da próxima semana, irão analisar como o governo poderá apoiar a venda do excedente de 40 milhões de caixas de laranja e viabilizar recursos para financiar a estocagem das 30 milhões de caixas de laranja a mais que a indústria se compromete a processar.

A previsão inicial das indústrias era de esmagamento de 247 milhões de caixas, volume que permitiria chegar ao final da safra com estoques compatíveis com a capacidade de armazenagem do setor.

A safra deste ano é 15% inferior aos 428 milhões de caixas colhidas na safra passada, mas as indústrias começam a moagem com um estoque de passagem de 600 mil toneladas de suco, em função da redução das exportações e do fato de metade estar atrelada aos financiamentos concedidos pelo governo no passado, por meio das operações da Linha Especial de Crédito (LEC), para enxugar a oferta de laranja e garantir aos produtores um preço de referência de R$ 10/caixa.

A primeira reunião será na próxima segunda-feira (25), quando representantes dos produtores e das indústrias se encontram com dirigentes da Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura e da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), para discutir como a estatal pode apoiar o escoamento do excedente de 40 milhões de caixas de laranja, uma vez que se trata de produto perecível, normalmente estocado na forma de suco.

Na terça-feira (26), a reunião será com o Ministério da Agricultura para analisar a possível prorrogação da LEC para financiamento dos 30 milhões de caixas a mais que as indústrias irão comprar, com o compromisso de realizar apenas uma moagem, em vez das três tracionais, o que resultará em menor volume adicional de suco de laranja.

Marco Antônio afirmou que a necessidade de recursos pode superar os R$ 300 milhões liberados no ano passado e que a expectativa dos produtores é manter o valor de referência nas compras feitas por meio da LEC em R$ 10/saca. Na reunião desta segunda-feira, o setor entregou ao governo um documento em que pede manutenção da proibição da importação de laranja da Argentina e também cobra a suspensão das compras da fruta da Espanha.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.