Tamanho do texto

Dívida com pagamentos atrasados e pendências trabalhistas da multinacional mexicana Mabe atualmente é de R$ 19,1 milhões

O protesto dos quase dois mil trabalhadores da Mabe Brasil Eletrodomésticos, fabricante responsável pelas marcas Continental, Dako, GE, BSH e Bosch, completa uma semana nesta segunda-feira (22).

Ocupação dos pátios da Mabe completa uma semana nesta segunda-feira (22)
Divulgação
Ocupação dos pátios da Mabe completa uma semana nesta segunda-feira (22)

Com salários atrasados e pendências demissionais, os funcionários acampados desde o fim de dezembro ocuparam no último dia 15 as duas plantas, em Campinas e em Hortolândia. A motivação foi o decreto de falência, emitido em 10 de fevereiro, da empresa que chegou ao Brasil sob a tutela da Mabe do México.

Atualmente, quem cuida do processo de falência da massa falida da Mabe na 2ª Vara Cível do Foro Distrital de Hortolândia/SP é a Capital Administradora, que se reuniu na última quinta-feira (18) com os trabalhadores acampados. Os lados ainda não chegaram a um acordo, mas a administradora tenta voltar com parte da operação dos produtos de linha branca da Continental e da Dako, visto a "relevância da representatividade das marcas" no mercado brasileiro – chegando a ser o 2º maior produtor do País.

Processo

O imbróglio da Mabe Brasil Eletrodomésticos começou ainda em 2013, quando em 9 de maio daquele ano, a empresa conseguiu o deferimento do pedido de recuperação judicial. Dois anos depois, em dezembro de 2015, o grupo suspendeu as atividades e concedeu férias coletivas por um mês a todos os funcionãrios. No entanto, pela falta de condições financeiras para retomar as atividades, a empresa continuou paralisada.

De acordo com o processo que ainda corre na Justiça, a dívida com valores relativos a 13º salário, pagamento de credores trabalhistas e folha de pagamento pendente chega ao patamar de R$ 19,1 milhões.

Além disso, entre 2014 e 2016, a empresa acumulou débitos por serviços contratados e não pagos, bem como aquisição de matéria prima (R$ 4,5 milhões), e, portanto, possui certidão positiva de débitos trabalhista. De acordo com o 1º Tabelião de Notas e Protestos de Letras e Títulos da Comarca de Sumaré, a Mabe tem contra ela 2.234 protestos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.