Tamanho do texto

A Robert L. Adams coloca pessoas falecidas em caixões dentro de uma vitrine, que pode ser observada de dentro de um carro

O estabelecimento foi fundado em 1974; a esposa do proprietário, Peggy Scott Adams, passou a controlar os negócios após a morte do marido
Reprodução/Youtube
O estabelecimento foi fundado em 1974; a esposa do proprietário, Peggy Scott Adams, passou a controlar os negócios após a morte do marido

Você passa com o carro, dá uma olhada, e segue seu caminho. O conceito de drive-thru hoje é muito utilizado principalmente em serviços alimentícios para trazer maior agilidade ao dia a dia das pessoas. Mas já pensou em ir a um velório drive-thru? Pois essa é justamente a proposta da funerária Robert L. Adams em Los Angeles, nos Estados Unidos, que disponibiliza essa forma de serviço.

A ideia é a mesma: utilizar o carro para realizar uma ação de dentro dele. A diferença, é que a ação em questão é observar um indivíduo morto dentro de um caixão aberto, que é colocado em uma espécie de vitrine. 

Segundo o jornal norte-americano “Los Angeles Times”, o estabelecimento foi fundado em 1974. A esposa do proprietário, Peggy Scott Adams, passou a controlar os negócios após a morte do marido. Ao “Los Angeles Times”, ela disse que o drive-thru é um elemento que diferencia o local de outras funerárias.

Segundo Peggy relatou ao jornal norte-americano, o vidro que cerca o local do drive-thru é blindado e a mortuária acabou se tornando um local popular para cerimônias de gangues nos anos 80, uma vez que elas começaram a repensar enterros tradicionais por conta da incidência de tiroteios em cemitérios na época.



    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas