Tamanho do texto

Funcionária estava em auxílio-doença e não podia comparecer ao serviço, mas teve alerta por ausência publicado em jornal

A bancária começou a trabalhar no banco e em 1983, e foi afastada por auxílio-doença pelo INSS em 2003, tendo seu benefício reativado em 2010
Eduardo P/ Creative Commons
A bancária começou a trabalhar no banco e em 1983, e foi afastada por auxílio-doença pelo INSS em 2003, tendo seu benefício reativado em 2010

A Terceira Turma do Tribunal Superior do Trabalho manteve a condenação por dano moral do Banco do Brasil. O Banco deverá pagar R$ 15 mil de indenização a uma funcionária por conta de um anúncio que publicou em um jornal alertando que demitiria a funcionária caso ele não comparecesse ao serviço. No entanto, a funcionária havia se ausentado por estar em auxílio-doença após passar por uma cirurgia. O Tribunal considerou que a atitude da empresa foi descabida e abusiva.

De acordo com o Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (RS), entendeu que o caso se enquadrava no artigo 17 do Código Civil, que não permite a utilização de nome de pessoa em publicação que o "exponha ao desprezo público". A bancária começou a trabalhar no banco e em 1983, e foi afastada por auxílio-doença pelo INSS em 2003, tendo seu benefício reativado em 2010. O anúncio em questão foi publicado em outubro no jornal gaúcho Zero Hora.

O Banco do Brasil afirmou em sua defesa que tentou de várias formas contatar a empregada, mas que não obteve sucesso, utilizando a publicação da nota como última instância. No entanto, o Tribunal Regional enfatizou que o banco informou a empregada em abril que o benefício havia sido reativado, o que demonstra que a empresa já conhecia a situação de saúde da funcionária e que seu contrato havia sido suspenso por conta do auxílio-doença.

O TRT destacou ainda que a bancária havia respondido a um contato por e-mail no dia 23 de setembro de 2010, avisando que não poderia comparecer pessoalmente ao banco.

A reportagem do iG entrou em contato com o BB, mas o banco não enviou nenhum posicionamento até o momento desta publicação.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.