Tamanho do texto

Orientadora do Vigilantes do Peso foi dispensada, por justa causa, por ter saído do peso predeterminado em contrato

O Tribunal Superior do Trabalho (TST) negou recurso do Vigilantes do Peso e reverteu a dispensa, por justa causa, de uma funcionária que não conseguiu manter o peso previsto em cláusula contratual. 

Boletim trimestral estabelece limites de peso, sob pena de demissão em caso de descumprimento
Divulgação
Boletim trimestral estabelece limites de peso, sob pena de demissão em caso de descumprimento

A decisão da Segunda Turma se baseou no artigo 482 da CLT, que diz que a discriminação do funcionário por sobrepeso é uma falta funcional. Tanto o juízo inicial e o regional já tinham chegado ao consenso de que o controle de peso dos trabalhadores da empresa somente poderia servir como orientação, e não como uma forma de penalizá-los. 

Segundo a orientadora, para essa função o regulamento condicionava o contrato de trabalho à manutenção do peso ideal, controlado num boletim que estabelecia limites, sob pena de, ao final de três meses, não poder mais exercer a função. E foi o que ocorreu: após duas cartas de advertência alertando-a por estar acima do peso, ela foi demitida por justa causa.

O Vigilantes do Peso oferece programas de emagrecimento por meio de reuniões. Após participar das reuniões e conhecer os métodos, a trabalhadora foi treinada para ser uma orientadora – pessoa treinada que aprendeu a emagrecer e manter seu peso com o programa, servindo de exemplo e modelo para inspirar e motivar o grupo.

Foi nesse argumento que a empresa baseou a defesa, sustentando que houve descumprimento reiterado da obrigação contratual que resultou na perda de clientes, que não voltavam às reuniões nem se inscreviam ao saber que ela era a condutora.

Apesar disso, a Segunda Turma do TST não conheceu do recurso da empresa, mantendo decisão segundo a qual o sobrepeso da empregada não pode ser considerado falta funcional prevista no artigo 482 da CLT.

O iG entrou em contato com o Vigilantes do Peso, mas a empresa não retornou até o momento desta publicação.

*Com informações do TST.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.