Tamanho do texto

Dados de perfil de usuário do Facebook foram usados pelo aplicativo Lulu e permitiram que mulheres o avaliassem

Aplicativo Lulu ficou fora do ar depois de causar polêmica no Brasil
Reprodução
Aplicativo Lulu ficou fora do ar depois de causar polêmica no Brasil

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) condenou o Facebook a indenizar em R$ 20 mil um usuário da rede social que teve os dados vazados no aplicativo Lulu. Após isso acontecer, o internauta foi avaliado por mulheres.

A sentença,i dada pela 2ª Câmara de Direito Privado do TJ-SP, foi de encontro à adotada em março pela Justiça de São Bernardo, mas ainda cabe recurso. O Facebook informou que vai recorrer da decisão.

O Lulu é um aplicativo que causou polêmica entre 2013 e 2014 ao chegar no Brasil e permitir que as mulheres deem notas aos homens. O programa puxa os dados dos amigos das usuárias do Facebook sem autorização e coloca em uma espécie de "vitrine" para avaliação. O homem que será indenizado teve suas informações vazadas no Lulu sem consentimento ou autorização prévia.

Por meio de nota, o Facebook afirmou que sua missão é fazer o mundo mais aberto e conectado, e por isso oferece uma das maiores plataformas de API do mundo que permitem a desenvolvedores promover seus aplicativos. "Estes aplicativos são operados por empresas terceiras e não temos qualquer ingerência sobre eles. O judiciário brasileiro já compreende que o Facebook não é parte responsável pelo que é desenvolvido externamente, e portanto vamos recorrer de decisões relacionadas a aplicativos de terceiros", destaca a empresa.

    Leia tudo sobre: Facebook
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.