Tamanho do texto

Martin Winterkorn diz que empresa precisa "recomeço" e deixa cargo "sem ter conhecimento de má conduta de minha parte"

AP

O presidente-executivo da Volskwagen, Martin Winterkorn, deixou o cargo nesta quarta-feira (22) dias após admitir que, sob sua gestão, a montadora campẽa de venda de veículos em todo o mundo falsificou emissões de poluentes para ser aprovada em testes nos Estados Unidos.

Em um pronunciamento, Winterkorn assumiu as responsabilidades pelas "irregularidades" encontradas nos motores a diesel mas diz "não ter conhecimento de qualquer má conduta de minha parte".

"A Volkswagen precisa de um recomeço - inclusive em termos de pessoal. Eu vou abrir caminho para um recomeço com a minha renúncia".

Chefe do conselho supervisor da Volkswagen Berhold Huber (centro), anuncia saída de Winterkorn
Julian Stratenschulte/dpa via AP - 23.9.15
Chefe do conselho supervisor da Volkswagen Berhold Huber (centro), anuncia saída de Winterkorn

A renúncia de Winterkorn foi feita após uma reunião de crise do comitê executivo de supervisão da Volkswagen. O chefe do órgão, Berthold Huber, disse que os diretores da companhia estão "resolvidos a envolver-se com determinação em m um novo começo de credibilidade."

Huber afirmou que a discussão sobre um novo presidente-executivo ocorrerá apenas na sexta-feira (25), em uma nova reunião de conselho.

Ações sobem 8,7%

Winterkorn disse que a Volskwagen precisa continuar a oferecer esclarecimentos e transparência. "Essa é a única forma de recuperar nossa confiança. Eu estou convencido de que o grupo Volkswagen e sua equipe vão superar esta grave crise."

As ações da Volkswagen subiram 8,7%, para 121 euros (R$ 544,38), após a renúncia do presidente-executivo. O valor ainda tem muito a se recuperar após a perda de quase 25 bilhões de euros (R$ 111 bilhões) de valor de mercado nos primeiros dois dias de transações após a Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos anunciar que a companhia violou a Lei do Ar Limpo.

Winterkorn, presidente-executivo da Volkswagen desde 2007, ficou sob grande pressão desde a revelação de que um programa faz com que os carros modelo 2007 a 2009 da empresa que usam um motor de 2 mil cilintradas a diesel emitem menos poluentes durante testes de emissão do que durante a condução.

A agência acusa a Volkswagen de instalar o dispositivo em 482 mil veículos vendidos nos Estados Unidos. A empresa, então, reconheceu que um programa similar existe em 11 milhões de veículos a diesel em todo o mundo.

Huber disse que "Winterkorn não tinha conhecimento da manipulação dos valores de emissão" e elogiou o executivo pela "rapidez em assumir a responsabilidade nesta difícil situação para a Volkswagen."

Antes de o escândalo vir à tona, cogitava-se que Winterkorn, de 68 anos, receberia uma extensão de 2 anos no contrato, até 2018, numa reunião que ocorre na sexta-feira. Sua renúncia ocorreu um dia depois de o executivo divulgar um vídeo pedindo à equipe e ao público "confiança para seguirmos em frente."

A Agência de Proteção Ambiental disse que a Volkswagen pode ser multada em até US$ 18 bilhões (R$ 72,8 bilhões). Outros governos, desde a Europa até a Coreia do Sul, deram início a investigações, e escritórios de advocacia moveram ações coletivas em favor de consumidores.

Os diretores da Volkswagen renovaram promessas de investigação completa após a renúncia de Winterkorn.

"Nós vamos limpar esses eventos com todas as possibilidades que temos dentro da empresa e garantir que todos os envolvidos sejam punidos severamente", disse Stephan Weil, governador do Estado da Baixa Saxônia, detentor de 20% da Volkswagen.

Weil acrescenta que a companhia vai mover um processo criminal "porque temos a impressão de que ações criminosas relevantes podem ter tido um papel" no escândalo.

O escritório do Ministério Público em Braunschweig, próximo da sede da Volkswagen em Wolfsburgo, informou nesta quarta-feira estar coletando informação e considerando a abertura de uma investigação contra empregados da companhia. Promotores disseram já ter recebido "várias" queixas criminais. Qualquer pessoa pode fazê-lo na Alemaha.