Tamanho do texto

Acordo com sindicato conseguiu que demitidos entrem em licença e tenham suspensão de contratos por 5 meses; quem for demitido após o período receberá indenização de 4 salários

Trabalhadores da GM em São José dos Campos aprovaram nesta segunda-feira (24) o acordo que adia as 798 demissões na unidade e encerraram uma greve que já durava 2 semanas
SindMetalsjc_24.Ago.2015/Fotos Públicos
Trabalhadores da GM em São José dos Campos aprovaram nesta segunda-feira (24) o acordo que adia as 798 demissões na unidade e encerraram uma greve que já durava 2 semanas

Mais de 4 mil funcionários da General Motors (GM), de São José dos Campos (SP), encerraram a greve de 12 dias, após assembleia realizada nesta segunda-feira (24) de manhã. Os metalúrgicos concordaram com a proposta do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 15ª Região que cancela 798 demissões. Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos, essa foi uma das maiores paralisações na fábrica nos últimos 20 anos.

Os trabalhadores, que haviam sido demitidos por telegrama no dia 8 de agosto, entram em licença remunerada, retroativa a 10 de agosto. Ficou acertado que, em setembro, esses metalúrgicos entram em lay-off (suspensão do contrato de trabalho) por um período de cinco meses, e recebem o pagamento de indenização adicional de quatro salários ao final do lay-off, caso haja rescisões contratuais.

A proposta inclui ainda antecipar a aposentadoria de um grupo de empregados e adotar um Programa de Desligamento Voluntário. Segundo o TRT, a GM se comprometeu a verificar a possibilidade de alteração do Perfil Profissiográfico Previdenciário (PPP), a fim de possibilitar o atendimento às aposentadorias especiais. A empresa poderá indenizar os trabalhadores que não desejarem integrar o programa de lay-off, no valor correspondente a cinco meses de desembolso da companhia, mais os quatro salários nominais de indenização.

A GM propôs pagamento de 50% dos dias parados e a compensação dos outros 50%. Durante o período do lay-off, ficam garantidos aos trabalhadores o 13º salário, a participação nos lucros e o reajuste na data-base. A Agência Brasil entrou em contato com a assessoria de imprensa da GM, que ainda não se pronunciou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.