Tamanho do texto

Com aquisição do HSBC Brasil, Bradesco chega a 16% de participação no sistema financeiro brasileiro, pouco atrás dos 16,2% do Itaú, líder entre os bancos privado no Brasil

Aquisição do HSBC faz  Bradesco se aproximar da liderança do Itaú no setor bancário
Getty Images
Aquisição do HSBC faz Bradesco se aproximar da liderança do Itaú no setor bancário

O Bradesco anunciou nesta segunda-feira (3) a compra da unidade brasileira do HSBC por US$ 5,2 bilhões (R$ 17,6 bilhões) em dinheiro, reduzindo a distância para os líderes o setor no País.

O acordo, que envolve o HSBC Bank Brasil Banco Múltiplo e HSBC Serviços e Participações, une o quarto e o sexto maiores bancos em ativos no País, e leva o Bradesco a 16% de participação no sistema financeiro brasileiro, pouco atrás dos 16,2% do Itaú Unibanco, líder privado no Brasil.

Leia mais:  Veja como calcular a multa do atraso no recolhimento do INSS do doméstico

Cinco passos obrigatórios para acertar na abertura de franquia

O Bradesco também assume a vice-liderança do mercado em número de correntistas (23,3% do sistema), e em ativos sob gestão (15,7% do sistema), segundo dados publicados pelo próprio banco sediado na Cidade de Deus (SP). Mas seguirá como quarto em volume de crédito (16,9% do sistema) e em depósitos totais (13,8% do total).

A operação amplia a presença do Bradesco nas regiões Sul e Sudeste, regiões que concentram três quartos das agências do HSBC no País.

O HSBC anunciou em junho interesse em se desfazer da unidade no Brasil, dentro da estratégia de reduzir ativos para melhorar a performance. A Reuters informou no mês passado que o Bradesco entrou em negociação exclusiva para compra do HSBC no Brasil, superando rivais como Santander.

O venda vem após anos de fraco desempenho do HSBC no Brasil, onde amargou prejuízo líquido de R$ 545,7 milhões em 2014. Segundo o sindicato de empregados do setor bancário, o banco demitiu cerca de 800 funcionários no País no ano passado.

A venda, que ainda requer aprovação regulatória e foi selada em 31 de julho, pode ser concluída até junho de 2016.

O preço, sujeito a ajuste para refletir o valor líquido patrimonial e equivale a 1,8 vez o valor contábil, superou o esperado por analistas. A Reuters informara que o Bradesco oferecera pagar cerca de R$ 12 bilhões de reais, 1,2 vez o valor contábil. O Bradesco é negociado por 1,5 vez o valor contábil.

O foco do HSBC Brasil em clientes de alta renda se encaixa no plano do Bradesco de elevar as vendas de serviços financeiros especializados para clientes de maior renda e grandes empresas.

"A aquisição possibilitará ganho de escala e otimização de plataformas, com aumento da cobertura nacional... além de reforçar sua presença no segmento de alta renda", disse o Bradesco em comunicado.

O Bradesco calculou que a transação lhe dará um ganho de otimização de R$ 2,5 bilhões, ou 5,5% de ganho de escala, com base nos resultados esperados para o HSBC no Brasil em 2015, de lucro recorrente de R$ 1,2 bilhão.

"Considerando os investimentos para integrar as plataformas, o impacto da aquisição sobre a expectativa de lucro por ação será neutro em 2016 e positivo a partir de 2017", afirmou o Bradesco em apresentação enviada ao mercado.

Em termos de capitalização, o índice de Basileia do Bradesco cai dos atuais 16% para 13,5%, ante mínimo regulatório exigido pelo Banco Central de 11%.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.