Tamanho do texto

Gerência utilizava termos como “cabeças vão rolar” e “peças vão ser trocadas”, como ameaça à quem não cumpria metas

Fachada do Santander em Londres, Reino Unido
Getty Images
Fachada do Santander em Londres, Reino Unido

A cobrança excessiva pelo desempenho e cumprimento de metas rendeu ao Santander uma multa de R$ 400 mil.

Depoimentos de empregados e ex-funcionários do banco comprovaram a prática de assédio moral: gerentes falavam palavrões, ameaçavam e constrangiam os contratados.

Leia mais: Taxas do cartão de crédito variam até 90%

Nas reuniões mensais, os superiores usavam expressões como “cabeças vão rolar” e “peças serão trocadas” em tom de ameaça aos funcionários.

Além da indenização por danos morais coletivos de R$ 400 mil – que será revertida ao Fundo de Amparo ao Trabalhador, o banco terá de oferecer cursos sobre assédio moral e abuso de poder diretivo aos seus gerentes. O descumprimento valerá multa de R$ 20 mil por item infringido.