Tamanho do texto

Tribunal Regional do Trabalho de Alagoas confirmou condenação anterior; revista era feita em funcionários e trabalhadores terceirizados

A rede varejista Makro foi condenada pelo Tribunal Regional do Trabalho de Alagoas a pagar R$ 500 mil de indenização por fazer revista íntima em funcionários e em profissionais terceirizados.

No recurso apresentado ainda na 1ª Vara do Trabalho, a empresa argumentou que as revistas íntimas não eram constrangedoras, segundo informação publicada no site do Ministério Público do Trabalho de Alagoas (MPT-AL). O Makro já havia sido condenado em março pela Justiça do Trabalho em 1ª instância. 

Nas investigações feitas pelo MPT, foi revelado que os trabalhadores que se recusassem a passar pela revista íntima eram repreendidos pela cheia. A recusa era registrada como ocorrência em um livro. 

Além de estar proibido de fazer a revista íntima, o Makro terá de pagar a multa milionária por dano moral coletivo, conforme decisão do desembargador Henrique Costa Cavalcante.

Por meio de nota, a empresa informa que vai recorrer da decisao junto ao Tribunal Superior do Trabalho.


    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.