Tamanho do texto

Governo russo identificou a presença de aditivo alimentar que serve para estimular o crescimento; lote saiu de unidade em Uberlândia (MG)

Reuters

Lote de carne bovina da BRF saiu de unidade de produção de Uberlândia
Thinkstock/Getty Images
Lote de carne bovina da BRF saiu de unidade de produção de Uberlândia

A Rússia suspendeu as importações de carne suína de uma unidade da BRF após detectar a presença do aditivo alimentar ractopamina em carregamentos, informou o serviço veterinário e fitossanitário do país nesta quarta-feira (18).

A ractopamina é um estimulante de crescimento proibido na Rússia e em alguns outros países por causa de preocupações com a saúde.

Leia também: Mal da vaca louca: teste indica que caso brasileiro é menos perigoso

"A fim de bloquear o fornecimento de produtos perigosos para o mercado russo, o Rosselkhoznadzor está impondo restrições temporárias ao fornecimento de produtos da unidade 3681 da BRF, a partir de 19 de junho", informou o serviço regulador em comunicado.

A BRF negou, em nota à imprensa, o uso da ractopamina na unidade que fica em Uberlândia (MG) e disse que até o momento não foi notificada oficialmente sobre resultados de testes realizados pelas autoridades russas.

"Com base em seus sistemas de rastreabilidade e garantia de qualidade, incluindo testes realizados pela empresa para controle interno e análises em laboratórios oficiais reconhecidos e acreditados pelo Ministério da Agricultura, a BRF reitera o não uso da substância nas etapas do processo produtivo daquela unidade", informou a BRF.

A Rússia proibiu a maioria das importações de carne dos Estados Unidos e do Canadá em 2013 por causa de temores sobre o uso de ractopamina. Fornecimento do Brasil foi limitado em 2011 por causa de preocupações relacionadas ao seu sistema de monitoramento de segurança.

As importações vindas dos Estados Unidos e do Brasil foram retomadas parcialmente no início deste ano.

A BRF, por sua vez, disse ainda que as cargas embarcadas do Brasil são acompanhadas de certificado sanitário, acordado entre as autoridades sanitárias de ambos os países, que atesta o atendimento às normas russas estabelecidas na produção da carne em questão.

"Na unidade de Uberlândia, a produção industrial é 100% verticalizada. Todos os animais abatidos pertencem à BRF assim como as matrizes, ração, medicamentos e vacinas", informou a empresa, acrescentando que o transporte dos animais é feito de forma totalmente segregado.

A BRF afirmou também que possui sistema de dupla verificação por regime de coleta e análise de ração, urina e carne, visando garantir a ausência de ractopamina nas granjas, fábrica de ração e frigorífico. "Desta forma, a BRF garante e reafirma o não uso de ractopamina em animais cuja carne é exportada para a Rússia."


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.