Tamanho do texto

Cobrança variava de R$ 50 a R$ 750 por trabalhador e era descontada em folha de pagamento

A montadora Nissan fechou acordo judicial com o Ministério Público do Trabalho no Paraná (MPT-PR) no valor de R$ 2 milhões por fazer descontos irregulares nos salários dos empregados.

-Leia também: Renault e Nissan estendem metas de sinergias em 2016

A negociação teve como base ação de execução ajuizada em fevereiro de 2013, após o MPT-PR constatar que a Nissan descumpriu medida judicial ao continuar descontando os salários de todos funcionários como contribuição sindical.

Negociação da Nissan teve como base ação de execução ajuizada em fevereiro de 2013
Getty Images
Negociação da Nissan teve como base ação de execução ajuizada em fevereiro de 2013

A montadora já havia sido condenada em julgamento de ação civil pública movida pelo MPT-PR em setembro de 2004.

Reclamações

Segundo nota publicada no site do MPT, foram recebidos diversos e-mails de trabalhadores reclamando dos descontos "indevidos" feitos pela empresa.

A cobrança variava de R$ 50 a R$ 750 por trabalhador e era descontada em folha de pagamento. O valor incidia também sobre a Participação nos Lucros e Resultados (PLR) e sobre as metas de produção.  

As montadoras Volvo, Renault e Volkswagen também foram condenadas por descontos irregulares, mas ainda não fecharam acordo com o MPT-PR. 

Em nota, a Volkswagen e a Renault afirmam que não vão comentar processos em andamento. 

Já as demais montadoras ainda não se manifestaram.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.