Tamanho do texto

Companhia prevê que situação deve se prolongar por um futuro próximo

Reuters

A E.ON, maior concessionária de serviços públicos da Alemanha, propôs nesta quarta-feira reduzir quase pela metade seus dividendos para 2013, e disse que vai fechar mais de um quarto de suas usinas na Europa em resposta à expansão de energias renováveis, que abalou empresas em todo o continente.

A sexta maior concessionária da Europa em valor de mercado disse que seus lucros principais em 2014 vão cair pelo terceiro ano, acrescentando que a crise no setor deve se prolongar por um futuro próximo.

Veja também: Eneva, de Eike e E-ON, inicia operação da 2ª unidade da Usina Parnaíba III

"Tendo uma visão sóbria do que está à frente, há poucos indícios de que nosso ambiente de mercado irá melhorar rapidamente ou de forma tangível", escreveu o presidente-executivo da E.ON, Johannes Teyssen, no relatório anual do grupo publicado nesta quarta-feira (12). "Como resultado, nós decidimos desativar quase 13 gigawatt de capacidade", disse Teyssen.

A E.ON afirmou nesta quarta-feira que espera que o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) fique entre € 8 bilhões a € 8,6 bilhões neste ano.

A empresa propôs um dividendo de € 0,60 por ação para 2013, abaixo do € 1,10 pago um ano antes.

Analistas, em média, estimavam um Ebitda para 2014 de € 8,4 bilhões e um dividendo de € 0,66 por ação para 2013.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.