Tamanho do texto

A Vale ficará com 55% da Aliança Geração de Energia, com a Cemig GT respondendo pelos 45% restantes

Reuters

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou sem restrições a formação de uma joint venture entre a Cemig Geração e Transmissão e a mineradora Vale por meio da Aliança Geração de Energia, segundo publicação no Diário Oficial da União nesta segunda-feira (10).

A joint venture deterá ativos de geração de energia que representam 815,36 MW de capacidade instalada, provenientes de matriz hídrica, informaram as companhias em documento submetido ao Cade.

No âmbito da operação, o capital social da Aliança Geração de Energia será aumentado, subscrito e integralizado por Cemig e Vale com o aporte das participações detidas pelas partes em ativos de geração de energia.

Veja também: País constrói hidrelétricas sem reservatório e pode precisar da energia nuclear

As fatias de Cemig GT e Vale nos ativos foram avaliadas em R$ 2,03 bilhões e R$ 2,48 bilhões, respectivamente.

A Vale ficará com 55% da Aliança Geração de Energia, com a Cemig GT respondendo pelos 45% restantes.

"Com a operação Vale e Cemig GT elevam o seu potencial de gerar novos negócios e maximizar resultados, em virtude da combinação de experiências em gestão operacional, financeira e de projetos", afirmaram as empresas no documento.

Elas disseram ainda que apenas a participação de mercado da Cemig GT sofrerá alteração com a associação, com a empresa passando a deter participação societária igual ou superior a 20% em alguns empreendimentos que não faziam parte do seu grupo econômico, citando as usinas hidrelétricas de Igarapava, Risoleta Neves e o Projeto Eólico Santo Inácio.

E mais: Irritada com apagão, Dilma cobra rapidez na liberação de licenças ambientais

A fatia de mercado do Grupo Cemig no mercado de geração de energia no país sofrerá um acréscimo de 0,27%, ou 350 MW, com a joint venture, complementaram.

No final do ano passado, a Vale havia anunciado uma reestruturação de seus investimentos em geração de energia que contemplava a venda para a Cemig GT de 49% de sua participação de 9% na capital da Norte Energia - empresa responsável pela construção, operação e exploração da usina hidrelétrica de Belo Monte - por cerca de R$ 206 milhões.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.