Tamanho do texto

Além de parar de pagar médicos para promover os seus produtos em eventos, a empresa vai rever as metas de vendas da equipe de marketing

Reuters

Farmacêutica GSK vai parar de pagar médicos para promover seus produtos em eventos
Thinkstock/Getty Images
Farmacêutica GSK vai parar de pagar médicos para promover seus produtos em eventos

A GlaxoSmithKline (GSK) vai parar de pagar médicos para promover seus produtos em eventos e irá remover metas de vendas individuais para a equipe de marketing, procurando se recuperar de escândalos envolvendo práticas de vendas impróprias.

A empresa também disse nesta terça-feira que irá encerrar o pagamento a profissionais de saúde para que assistam a conferências médicas.

A iniciativa representa um movimento da maior farmacêutica da Grã-Bretanha para responder às críticas, abordando possíveis conflitos de interesse que poderiam colocar os interesses comerciais à frente do melhor resultado para os pacientes.

Ela chega em meio a uma grande investigação de suborno na China, onde a polícia acusou a GSK de destinar até 3 bilhões de iuanes (US$ 494 milhões) a agências de viagens para facilitar subornos, visando a impulsionar a venda de seus medicamentos.

Veja também: Roche faz acordo de até US$ 600 milhões por remédio de Parkinson da Prothena

No entanto, a empresa disse que as medidas não estão diretamente relacionados a seus problemas chineses, sendo parte de um amplo esforço para melhorar a transparência.

A GSK ainda manterá o pagamento de honorários aos médicos que realizarem pesquisas clínicas patrocinadas pela empresa, além de atividades de consultoria e pesquisas de mercado, atividades descritas como essenciais pela companhia para uma melhor compreensão de doenças específicas.