Tamanho do texto

A petroleira divulgou documento com quase cem páginas com as apresentações que foram feitas desde setembro nas negociações envolvendo a reestruturação da companhia

Agência Estado

Eike Batista, controlador da companhia
Elisa Rodrigues / Futura Press
Eike Batista, controlador da companhia

A OGX, do empresário Eike Batista , divulgou documento com quase cem páginas com as apresentações que foram feitas aos credores externos da companhia desde setembro nas negociações envolvendo a reestruturação da companhia.

Leia também: Sem acordo com credores, recuperação judicial é última chance da OGX

Em meio a várias planilhas e gráficos com detalhes sobre as operações da companhia, a OGX desenha um plano de viabilidade operacional para a companhia, em que valeria US$ 2,7 bilhões, a partir do qual haveria a reestruturação de seu passivo a ser trocado por ações.

O plano avalia que a dívida total não garantida da companhia de US$ 5,07 bilhões, incluindo os credores externos, a OSX e fornecedores, seria reestruturada para US$ 2,19 bilhões. Essa dívida seria trocada por ações.

O credores externos, que pelo valor de face detêm US$ 3,6 bilhões em bônus, teriam esse montante reduzido em 56,6% para US$ 1,56 bilhão. Receberiam em troca uma participação de 57% na nova companhia.

A dívida atual de US$ 900 milhões da OSX, também de Eike , encolheria para US$ 388 milhões, trocada por participação de 14% da nova companhia.

Os fornecedores de Eike teriam sua dívida atual de US$ 545 milhões reduzida para US$ 235,6 milhões e em troca receberiam participação de 9% da nova empresa.

O material segue-se ao anúncio da companhia de que as negociações se encerraram, sem aceitação dos credores ao plano.

No material disponível no site da empresa sobre as apresentações aos credores externos, a OGX esclarece que continua avaliando alternativas para a reestruturação de seu endividamento, mas que frente ao encerramento das discussões, as propostas foram retiradas.

Entre os credores externos da OGX estão a Pacific Investment Management Co (Pimco) e a BlackRock, dois grandes fundos estrangeiros com relevante participação no mercado de renda fixa mundial.