Tamanho do texto

Rede varejista afirma que retirou as peças das lojas e está revendo a escolha da decoração

Estátua de criança negra acorrentada em uma unidade do Pão de Açúcar, em São Paulo
Reprodução
Estátua de criança negra acorrentada em uma unidade do Pão de Açúcar, em São Paulo

Consumidores usaram as redes sociais para protestar contra uma estátua de uma criança negra “acorrentada” nos tornozelos utilizada como objeto decorativo por uma unidade do Pão de Açúcar, em São Paulo.

O objeto foi considerado ofensivo pelos internautas por relembrar o período de escravidão.

-Veja também: Francisco Valim, ex-presidente da Oi, é indicado a presidente da Via Varejo

O Site Mundo Negro, que divulgou a imagem em uma rede social, considerou a imagem uma apologia ao trabalho infantil.

“O cesto é de proporções incompatíveis à estatura da criança e seria um sacrifício, seja pelo tamanho ou pelo peso a ser carregado”, critica o post, que também questiona o porquê de ser uma criança negra.

Em nota, o Pão de Açúcar afirma que a estátua foi adquirida como parte de uma coleção de peças decorativas da loja, sem intenção ou apologia a qualquer tipo de discriminação.

“Assim que tomou ciência do caso, o Pão de Açúcar providenciou a retirada da estátua das lojas e está revendo o processo de seleção de peças decorativas”, informa a rede varejista.