Tamanho do texto

Objetivo é reduzir fragilidade da divisão de defesa enquanto governos cortam gastos militares

Agência Estado

A European Aeronautic Defence & Space (EADS) fez uma reforma radical em suas atividades, colocando as operações de defesa e aeroespaciais sob o mesmo teto e renomeando a companhia como Airbus Group. O movimento é uma tentativa de aperfeiçoar a estrutura da empresa, melhorar a lucratividade e promover a imagem corporativa.

-Veja também: EADS planeja usar o Brasil para crescer na América Latina

O anúncio foi feito junto com a divulgação do balanço trimestral da EADS. A decisão da EADS é destinada principalmente a reduzir a vulnerabilidade de sua divisão de defesa enquanto governos de todo o mundo reduzem os gastos militares e foi tomada depois de uma fracassada tentativa de fusão com a britânica BAE Systems, no ano passado.

"Agora é o momento de criar uma nova marca para todo o grupo", declarou o executivo-chefe, Tom Enders. A companhia agora chamada Airbus Group vai ser formada por três divisões: Airbus, englobando operações comerciais; Airbus Defence & Space, que combinará a divisão de defesa Cassidian com a unidade aeroespacial Astrium; e Airbus Helicopters.

O lucro líquido da EADS cresceu 14% no segundo trimestre, para € 518 milhões
Getty Images
O lucro líquido da EADS cresceu 14% no segundo trimestre, para € 518 milhões

Enders não quis falar sobre os potenciais cortes de custos e demissões que a reformulação pode provocar. A divisão Airbus Defence & Space, que terá sede em Munique, Alemanha, terá cerca de 45 mil funcionários e uma receita anual de aproximadamente 14 bilhões de euros. A EADS teve lucro antes de juros, impostos e despesas especiais de € 887 milhões (US$ 1,18 bilhão), um aumento de 23% sobre o mesmo período do ano passado.

A companhia contabiliza todos os custos de seus programas de aeronaves no ano em que eles ocorrem. Em vez de diluí-los durante a duração do programa, como faz a americana Boeing. Como resultado, a EADS frequentemente enfrenta grandes despesas extraordinárias, como a de € 136 milhões registrada no segundo trimestre.

O lucro líquido cresceu 14%, para € 518 milhões. O total de encomendas da EADS mais do que triplicou na comparação anual, para € 96,6 bilhões, sustentado pela divisão de aviões comerciais, mas as encomendas às divisões de defesa e aeroespacial caíram em relação ao segundo trimestre de 2012.

As entregas da Airbus no primeiro semestre somaram 295 aeronaves, acima de 279 um ano antes. A Airbus respondeu por € 9,74 bilhões da receita total de € 13,95 bilhões da EADS no segundo trimestre.

A previsão dos analistas era de receita de € 13,76 bilhões. A EADS confirmou sua projeção para o ano de ter crescimento moderado na receita e lucro antes juros, impostos e itens extraordinários de € 3,5 bilhões.